Papa dedica aos anjos sua primeira reflexão quaresmal

Os anjos «anunciam a presença de Deus entre os homens», afirma

| 1254 visitas

Por Inma Álvarez

CIDADE DO VATICANO, domingo, 1º de marco de 2009 (ZENIT.org).- O Papa dedicou sua reflexão para este primeiro domingo da Quaresma a falar sobre os anjos, seres «luminosos e misteriosos» que fazem parte importante dos próprios evangelhos.

Bento XVI destacou sua presença no breve evangelho deste domingo, no qual Marcos relata a passagem de Jesus pelo deserto da Judeia, após o seu batismo, para ser tentado pelo diabo, e onde «os anjos o serviam».

«Na brevidade do relato, frente a essa figura escura e tenebrosa que se atreve a tentar o Senhor, aparecem os anjos, figuras luminosas e misteriosas. Os anjos, diz o Evangelho, ‘serviam’ Jesus; são o contraponto de Satanás», explicou.

O Papa fez um breve percorrido pela Escritura, tanto do Antigo como do Novo Testamento, destacando a presença desses seres «que, em nome de Deus, ajudam e guiam os homens».

«Eliminaríamos uma parte do Evangelho se deixássemos fora esses seres enviados por Deus, que anunciaram sua presença entre nós e que são um sinal dela», afirmou o Papa aos fiéis.

Especialmente, pediu a intercessão dos anjos «para que nos sustenham no empenho de seguir Jesus até nos identificarmos com Ele», especialmente diante do começo, hoje, dos exercícios espirituais que o Papa e os membros da Cúria realizam no começo da Quaresma.

Por outro lado, já que esta passagem do Evangelho narra brevemente o episódio das tentações, o Papa destacou unicamente a importância desta «passagem pelo deserto» de Jesus como símbolo quaresmal.

«No deserto, lugar da provação, como mostra a experiência do povo de Israel, aparece com viva dramaticidade a realidade da kenosis, do esvaziamento de Cristo, que se despojou da forma de Deus.»

«Ele, que não pecou e não pode pecar, submete-se à prova e por isso pode combater nossa doença. Deixa-se tentar por Satanás, o adversário, que desde o princípio se opôs ao desígnio salvífico de Deus em favor dos homens», acrescentou.