Papa destaca contribuição cultural das minorias criativas

Carta do cardeal Bertone à Universidade do Sagrado Coração

| 1456 visitas

ROMA, segunda-feira, 19 de abril de 2010 (ZENIT.org).- O secretário de Estado Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, destacou a decisiva contribuição cultural das minorias criativas, em uma carta enviada em nome do Papa Bento XVI ao presidente do Instituto G. Toniolo de Estudos Superiores, cardeal Dionigi Tettamanzi.

A carta é enviada por ocasião da celebração, neste domingo, do 86º Dia Nacional da Universidade Católica do Sagrado Coração, informou a Sala de Imprensa da Santa Sé.

A carta define as minorias criativas como "homens que, no contato com Cristo, encontraram a pérola preciosa, que dá valor à vida inteira e, precisamente por isso, conseguem oferecer contribuições decisivas para uma elaboração cultural capaz de delinear novos modelos de desenvolvimento".

E afirma que, "sem essas forças humanas, que vivem a riqueza encontrada de maneira convincente também para os demais, não se constrói nada".

O purpurado recolhe, em sua carta, as palavras que o Papa pronunciou em setembro de 2009, durante sua viagem de Roma a Praga, para a visita à República Tcheca.

Bento XVI afirmou: "Eu diria que normalmente as minorias criativas determinam o futuro e, neste sentido, a Igreja Católica deve compreender-se como minoria criativa que tem uma herança de valores que não são algo do passado, mas uma realidade muito viva e atual".

"A Igreja deve estar presente no debate público, em nossa luta por um autêntico conceito de liberdade e de paz", acrescentou o Papa.

O cardeal Bertone recorda, em sua carta, que "determinar modelos econômicos e políticos é tarefa dos leigos".

Aos cristãos leigos é pedido um "testemunho pessoal de compromisso social nas oportunas formas associativas", e que ajam "sempre com a clara iluminação da Palavra da fé, escrita ou transmitida, da qual o Magistério é custódio fiel e intérprete seguro", afirma.

"Insere-se aqui a tarefa insubstituível da universidade católica - acrescenta -, lugar em que a relação educativa se coloca ao serviço da pessoa na construção de uma qualificada competência científica que se arraiga e se alimenta de um patrimônio de saber que a mudança de gerações destilou em sabedoria de vida."

A carta indica também que a comemoração do Dia Nacional da Universidade Católica do Sagrado Coração "oferece a oportunidade a Sua Santidade Bento XVI de renovar sua estima pela significativa função que esta instituição acadêmica continua tendo no panorama cultural da nossa sociedade".

E destaca o apreço do Papa pela "belíssima obra de formação desenvolvida especialmente com as novas gerações" nesta universidade, cujo campus de Roma acolhe a policlínica Agostino Gemelli.

Neste ano, o tema da comemoração é "Um impulso criativo para novos modelos de desenvolvimento".

A Universidade Católica do Sagrado Coração está estruturalmente unida à Santa Sé através do Instituto Toniolo de Estudos Superiores, cuja tarefa é a de alcançar os fins institucionais da universidade dos católicos italianos.

O cardeal indica na carta que o trabalho cotidiano de pesquisa, ensino e estudo mostra a relação especial desta universidade com a Sé de Pedro.

Neste trabalho, recorda a missiva, "a traditio - caminho excelente de educação criativa - expressa plenamente seu próprio potencial de inovação".

"De fato, nenhum progresso, menos ainda no campo cultural, nutre-se de mera repetição, mas exige um início sempre novo", afirma o cardeal Bertone.

"Requer, além disso, essa disponibilidade para o debate e para o diálogo que abre a inteligência e que dá testemunho da rica fecundidade do patrimônio da fé: caridade na verdade", continua.

"Contribui-se, assim, para a formação de uma sólida estrutura da personalidade, na qual a identidade cristã penetra na vida cotidiana e se expressa em um profissionalismo excelente, em resposta a um desafio de grande transcendência, que exalta esse compromisso criativo que a transformação pascal renova em seu dinamismo vital."

"A universidade se converte, assim, em um ambiente espiritual e cultural privilegiado, que não limita a aprendizagem à funcionalidade de um êxito econômico, mas que amplia o alento sobre projetos nos quais a inteligência investiga e desenvolve os dons do mundo criado", prossegue a carta.

"É esta a energia criativa que supera a repetição que entedia, o pragmatismo que mortifica - acrescenta. Assim, a vida universitária se renova e gera uma verdadeira communitas, segundo o lema escolhido este ano como caminho de reflexão e de crescimento comum."

Em sua carta, o secretário de Estado destaca o valor da "busca da verdade na doçura de uma reciprocidade dada" e da gratuidade, "frequentemente não reconhecida por causa de uma visão meramente produtiva e utilitarista da existência".

Fundada em 1921, a Universidade Católica do Sagrado Coração, em suas 5 sedes e 14 faculdades, conta com milhares de estudantes inscritos.