Papa destaca diversidade de carismas de Pedro e Paulo

Ao rezar o Angelus nessa terça-feira

| 1057 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 30 de junho de 2010 (ZENIT.org) - Bento XVI destacou a diversidade de carismas e missões dos santos que são o fundamento da Igreja: Pedro e Paulo.

Em sua alocução prévia à oração do Angelus na Praça de São Pedro nessa terça-feira, o Papa afirmou que “os dois Santos Patronos de Roma, apesar de terem recebido de Deus carismas e missões diferentes para cumprir, são ambos fundamento da Igreja una, santa, católica e apostólica”.

Sobre Simão Pedro, o pontífice assinalou que “está tão próximo do Senhor como para se converter ele mesmo em uma rocha de fé e de amor sobre a qual Jesus edificou sua Igreja”.

Já São Paulo, acrescentou, “com a Graça divina difundiu o Evangelho, semeando a Palavra de verdade e de salvação no meio dos povos pagãos”.

Citando São João Crisóstomo, Bento XVI afirmou que Deus fez a Igreja “mais forte que o próprio céu” e recordou que Cristo disse a São Pedro: “tudo o que ligares na terra será ligado nos céus, e tudo o que desligares na terra será desligado nos céus”.

O Papa também sublinhou que a Igreja está “permanentemente aberta à dinâmica missionária e ecumênica, já que é enviada ao mundo para anunciar e testemunhar, atualizar e estender o mistério de comunhão que a constitui”.

Em suas palavras, pronunciadas após celebrar na Basílica vaticana a missa da solenidade de Pedro e Paulo e entregar o Pálio a 39 arcebispos metropolitanos, Bento XVI explicou que o Pálio “simboliza tanto a comunhão com o bispo de Roma, como a missão de apascentar com amor a única grei de Cristo”.

Finalmente, pediu que “o exemplo dos apóstolos Pedro e Paulo ilumine as mentes e acenda nos corações dos crentes o santo desejo de cumprir a vontade de Deus, para que a Igreja peregrina na terra seja sempre fiel a seu Senhor”.

Após rezar o Angelus, o Papa saudou os familiares e acompanhantes dos arcebispos que tinham acabado de receber o Pálio. Dois arcebispos eram brasileiros: Dom Antônio Fernando Saburido, de Olinda e Recife, e Dom Alberto Taveira Corrêa, de Belém do Pará.