Papa e Cúria caminharão até o Natal meditando sobre Jesus, filho de Deus

Tema das pregações de Advento do Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap.

| 858 visitas

Por Marta Lago

CIDADE DO VATICANO, quinta-feira, 29 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Aprofundar no mistério de Cristo, especialmente como Filho, é a proposta do pregador da Casa Pontifícia nas meditações que oferecerá ao Papa e a seus colaboradores como preparação para o Natal.

A Prefeitura da Casa Pontifícia difundiu o programa das tradicionais pregações de Advento em um belíssimo cartão de natal: reproduz o mosaico do portal de Bronze – do Palácio Apostólico do Vaticano – da Virgem com o Menino e dos santos Pedro e Paulo, obra de Cesare Rossetti e Ranuccio Semprevivo (séculos XVI-XVII).

Três sextas-feiras consecutivas – 7, 14 e 21 de dezembro – reunirão, na capela Redemptoris Mater do Palácio Apostólico, junto ao Santo Padre, cardeais, arcebispos e bispos, secretários das congregações vaticanas, prelados da Cúria romana e do vicariato de Roma, superiores gerais e procuradores das ordens religiosas que fazem parte da Capela Pontifícia, todos eles convidados a esses momentos específicos de preparação para o Natal.

O versículo da carta do apóstolo Paulo aos Hebreus (1, 2), «Ele nos falou por meio de seu Filho», é o eixo das pregações do próximo Advento.

Como explica o pregador do Papa, Pe. Raniero Cantalamessa, OFM Cap., no programa, depois do versículo «O Verbo se fez carne» (João 1, 14), o texto bíblico mais característico do tempo natalino é o da citada carta paulina (Hebreus 1, 1-2): «Deus, que falou em tempos antigos [...] através dos profetas, falou-nos por meio de seu Filho».

«À luz desta passagem – acrescenta –, e tomando orientação do livro do Papa Bento XVI sobre Jesus de Nazaré, procura-se evidenciar a novidade e a unicidade de Cristo como emerge em relação com os profetas e João Batista, e com o uso que Ele faz do título de Filho.»

O «fruto espiritual» destas meditações, segundo o Pe. Cantalamessa, «deveria ser uma fé e uma adesão cada vez mais convencida à pessoa do Salvador».

A prefeitura da Casa Pontifícia inclui no programa das pregações as palavras de Bento XVI: a Igreja «é uma comunidade que escuta e anuncia a palavra de Deus. A Igreja não vive de si mesma, mas do Evangelho, e no Evangelho encontra sempre novamente orientação para seu caminho».

Prossegue a citação do Papa: «Só quem se coloca primeiro à escuta da Palavra pode converter-se depois em seu arauto. Com efeito, o cristão não deve ensinar sua própria sabedoria, mas a sabedoria de Deus, que com freqüência se apresenta como escândalo aos olhos do mundo» (Bento XVI, Discurso ao Congresso Internacional no XL aniversário da Constituição Conciliar «Dei Verbum», 16 de setembro de 2005).