Papa e seus antigos alunos falam sobre Jesus histórico e sua Paixão

Com convidados especiais: dois grandes exegetas evangélicos

| 894 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 1º de setembro de 2008 (ZENIT.org).- De 30 de agosto a 1º de setembro aconteceu, no palácio pontifício de Castel Gandolfo, o tradicional encontro de Bento XVI com seus antigos universitários. Nesta ocasião estudaram a correspondência entre o Jesus descrito pelos Evangelhos e sua figura histórica, assim como a narração da Paixão.

Os participantes pertencem ao Ratzinger Schülerkreis, ou seja, o círculo de antigos estudantes que prepararam sua tese doutoral junto ao professor Joseph Ratzinger, que costumavam reunir-se com ele quando era arcebispo de Munique e prefeito da Congregação para a Doutrina da Fé.

Por causa do tema, no simpósio foram convidados nesta ocasião dois exegetas evangélicos que Bento XVI conhece muito bem: Martin Hengel e Peter Stuhlmacher, especialistas de fama mundial.

No encontro se falou tanto à luz do livro escrito por Bento XVI «Jesus de Nazaré», como em previsão do segundo volume que o Papa dedicará ao conhecimento de Jesus, prestando particular atenção à sua Paixão.

Hengel falou da historicidade da figura de Jesus, enquanto Stuhlmacher apresentou a Paixão e morte de Jesus propondo as reflexões que pôde amadurecer através de seus estudos.

Os dois especialistas, ambos professores na Universidade de Tubinga, onde Ratzinger foi professor nos anos 70, ofereceram ao debate temas indicativos, mas não expressaram diretamente sua opinião sobre as obras do Papa.

Hengel já havia participado, nos anos 90, de um dos encontros do cardeal Ratzinger com seus alunos. Naquela ocasião, o tema era a figura de Pedro no Evangelho de Marcos.

«Bento XVI sempre confirmou que a representação de Jesus que os Evangelhos fazem não só é teologicamente fundamental, mas também, em seus elementos essenciais, corresponde ao verdadeiro Jesus histórico», explicouL’Osservatore Romano.

Após as palestras dos dois professores alemães, começou o debate. No encontro participaram também o cardeal Christoph Schonborn, arcebispo de Viena, e o bispo auxiliar de Hamburgo, Dom Hans-Jochen Jaschke. Os alunos de Ratzinger presentes este ano eram 38.

Entre eles, encontrava-se um professor da África, especialista em teologia e antropologia, assim como outros professores, párocos, religiosos, religiosas e leigos.

Ontem, os participantes se uniram à celebração eucarística presidida pelo Papa. A homilia foi pronunciada pelo arcebispo de Viena.

A organização prática do encontro ficou a cargo de Stephen Horn, salvatoriano alemão de 72 anos, que preside a associação de antigos alunos do Papa.