Papa em Paris: Injeção de esperança para Igreja na França

Missa na Esplanada dos Inválidos

| 1081 visitas

PARIS, sábado, 13 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- A visita de Bento XVI à capital francesa, entre esta sexta-feira e sábado, e converteu em uma injeção de esperança para a Igreja neste país, em pleno debate social sobre o futuro do cristianismo.

«A esperança continuará sendo sempre a mais forte. A Igreja, construída sobre a rocha de Cristo, tem as promessas da vida eterna, não porque seus membros sejam mais santos que os demais, mas porque Cristo fez a promessa a Pedro: ‘Tu es Pedro e sobre esta pedra edificarei minha Igreja, e o poder do inferno não a derrotará’», afirmou na homilia da missa que presidiu na Esplanada dos Inválidos.

Nos dias anteriores à visita do Papa, jornais, canais de televisão e sites publicaram pesquisas de opinião e estatísticas que denotavam o declive numérico da prática religiosa e da própria fé entre os franceses.

Neste contexto, o bispo de Roma se dirigiu aos corações das mais de 260 mil pessoas que participaram na eucaristia: «Com a inquebrantável esperança da presença eterna de Deus em cada uma de nossas almas, com a alegria de saber que Cristo está conosco até o final dos tempos, com a força que o Espírito Santo oferece a todos aqueles e aquelas que se deixam alcançar por ele, queridos cristãos de Paris e da França, entrego-vos à ação poderosa do Deus de amor que morreu por nós na Cruz e ressuscitou vitoriosamente na manhã de Páscoa».

Entre aqueles que o escutavam se encontrava o primeiro ministro da França, François Fillon. Participaram na celebração eucarística 90 cardeais e bispos, e aproximadamente 1,5 mil sacerdotes. Um coro de 1,2 mil vozes animou os cantos.

Membros da «Aux captifs la libération» (Aos cativos a liberdade), associação que se dedica a atender pessoas que vivem na rua, levaram os oferendas na missa.

Bento XVI deixou para os presentes uma mensagem exigente: «Não tenhais medo! Não tenhais medo de dar a vida a Cristo!», afirmou fazendo, em particular, um chamado à vida sacerdotal e religiosa.

«Nada poderá substituir o ministério dos sacerdotes no coração da Igreja. Nada suprirá uma Missa pela salvação do mundo», assegurou.

O pontífice concluiu a homilia com uma mensagem de esperança: «Que Deus nosso Pai vos acolha e faça brilhar sobre vós o esplendor de sua glória. Que o Filho Único de Deus, Mestre e Irmão nosso, revele-vos a beleza de seu rosto ressuscitado. Que o Espírito Santo vos encha de seus dons e vos dê a alegria de conhecer a paz e a luz da Santíssima Trindade, agora e por sempre. Amém».