Papa envia cardeal Ouellet a um especial “Pow-Wow”

Canadá comemora IV centenário do batismo do primeiro índio

| 982 visitas

CIDADE DO VATICANO/QUÉBEC, segunda-feira, 26 de julho de 2010 (ZENIT.org) - Bento XVI nomeou o cardeal Marc Ouellet, atual prefeito da Congregação para os Bispos, como delegado seu para as celebrações do IV centenário do batismo do primeiro ameríndio, o grão-chefe Membertou.    

Assim informou a Santa Sé, em um comunicado acompanhado da carta do Papa ap cardeal, em latim, na qual o envia como representante seu às celebrações que se realizarão em Chapel Island (Nova Escócia), no dia 1o de agosto.

O cardeal, que no momento da assinatura da carta papal (30 de junho) ainda era arcebispo de Québec e primaz do Canadá, será acompanhado pelo Pe. Robert McNeil, vigário episcopal para os Mik'maq, pelo Pe. Douglas J. Murphy, da paróquia Holy Rosary, e por monsenhor Luca Lorusso, conselheiro da nunciatura.

Na carta, o Papa mostra se desejo de que todos os que participem desta celebração, tanto indígenas como outros cidadãos canadenses, sejam confirmados na fé e a todos envia sua bênção apostólica.

Membertou

A Conferência Episcopal do Canadá, por meio do seu Conselho para os Aborígenes, dedicou-se especialmente este ano à celebração dos 400 anos do batismo do grão-chefe mi'kmaq Henri Membertou, junto a 20 membros da sua família, no dia 24 de junho de 1610.

Membertou foi batizado na antiga Port-Royal dos franceses, hoje conhecida como a Annapolis Basin. Este gesto teve uma grande importância, já que se tratava do grão-chefe do Grande Conselho dos Mi'kmaq, uma das mais importantes nações índias do Canadá.

Como xamã, era um homem muito respeitado e seguido por seus concidadãos, assim como apreciado pelos franceses recém-chegados a essas terras, com quem os mi'kmaq tiveram relações cordiais.

Seu batismo, pelas mãos do Pe. Jessé Fléché, missionário católico francês, foi o primeiro conhecido de um ameríndio. Era tal sua influência, que nos seguintes 5 anos, muitos mi'kmaq também quiseram ser batizados na fé católica.

Membertou morreu por disenteria, em Port-Royal, no dia 18 de setembro do ano seguinte. Foi enterrado com honras militares pelos franceses, e seus restos descansam no antigo cemitério católico de Port-Royal.

Celebrações

As comunidades mi'kmaq convocaram uma série de acontecimentos para comemorar os 400 anos e para celebrar publicamente suas próprias tradições e heranças culturais, com festivais de música e outras expressões.

Além das celebrações de agosto e setembro, no último dia 24 de junho, Dia Nacional dos Aborígenes, cerca de 500 mi'kmaq se reuniram em Annapolis Royal para celebrar uma Missa e uma renovação batismal.

Várias personalidades eclesiásticas estiveram presentes nesse grande pow-wow (reunião de tribos indígenas).

A diretora executiva do "Membertou 400", Deborah Ginnish, comentou que a presença da Igreja, inclusive de um delegado papal, demonstra ã importância deste aniversário, tanto para a nação Mi'lmaq como para a Santa Sé".

"Trata-se de uma maravilhosa oportunidade para os aborígenes e não-aborígenes, católicos e não-católicos, de reunir-se e celebrar nossa história compartilhada, ser conscientes da nossa humanidade comum e aprender uns dos outros", afirmou Ginnish.

Mais informação em: www.membertou400.com.

(Por Inma Álvarez)