Papa Francisco e Putin unidos pela paz na Síria

Durante o seu encontro no Vaticano o Pontífice e o presidente russo falaram sobre a urgência de uma solução diplomática no país do Oriente Médio e sobre a situação crítica dos cristãos em algumas partes do mundo

Roma, (Zenit.org) Luca Marcolivio | 287 visitas

A paz no Oriente Médio, e especialmente na Síria, a situação dos cristãos no mundo e a proteção da dignidade humana e da família, foram os principais temas abordados no encontro ocorrido esta tarde entre o Papa Francisco e o presidente da Russia, Vladimir Putin.

Às 17h49, com cerca de 50 minutos de atraso (devido ao atraso do vôo Moscou - Roma), Putin entrou na biblioteca do Santo Padre .

A conversa entre o Papa Francisco e o chefe do Estado Russo durou 35 minutos, durante os quais, se lê numa nota da Santa Sé, “congratulou-se pelas boas relações bilaterais e se concentrou em algumas questões de interesse comum, especialmente sobre a vida da comunidade católica na Russia, lembrando a contribuição fundamental do cristianismo na sociedade".

Neste contexto os dois chefes de Estado fizeram referência à "difícil situação dos cristãos em algumas partes do mundo, bem como a defesa e a promoção dos valores em relação à dignidade da pessoa, e a proteção da vida humana e da família", se lê no comunicado.

O Papa e Putin deram uma “especial atenção” à busca da paz no Oriente Medio e especialmente à “grave situação na Síria”, em referência à qual, o presidente russo agradeceu o Pontífice pela carta que lhe foi dirigida por ocasião do G20 de São Petersburgo.

Finalmente, destacou-se “a urgência de fazer cessar as violências e de prestar assistência humanitária necessária à população, como também favorecer iniciativas concretas para uma solução pacífica do conflito, que privilegiem a via da negociação e envolvam as diversas partes étnicas e religiosas, reconhecendo os seus imprescindíveis papeis na sociedade”.

Seguiu-se a troca dos presentes: o Papa presenteou a Putin um mosaico com a figura dos Jardins Vaticanos, recebendo do hóspede um ícone da Virgem de Vladimir, venerada em um conhecido santuário ortodoxo russo.

Nesta circunstância, o presidente russo perguntou ao papa: "Gostou do ícone?". Recebeu a resposta afirmativa do Papa. Putin fez o sinal da cruz na forma dos ortodoxos e beijou o ícone, como também o Santo Padre.

Uma sucessiva reunião, também essa de uma duração de cerca meia hora, Putin teve com o secretário de Estado Vaticano, monsenhor Pietro Parolin, e com o secretário para as Relações com os Estados, monsenhor Dominique Mamberti.

Entre os que estavam no séquito do presidente russo: o Ministro das Relações exteriores, e o embaixador junto à Santa Sé.

Segundo informou o porta-voz do Vaticano, padre Federico Lombardi, o Papa Francisco e Vladimir Putin não trataram de questões de caráter ecumênico, não sendo estas de competência dos encontros entre o Papa e os chefes de estado ou de governo, porém Putin levou ao Santo Padre a saudação do patriarca Kirill.

Lombardi finalmente deixou claro que nenhum convite para Moscou foi dirigido ao Papa pelo presidente russo.

(Trad.TS)