Papa Francisco em Santa Marta: apostasia geral que se chama proibição de adoração

Francisco lembra que a fé não é um assunto privado como alguns poderes mundanos gostariam que fosse

Roma, (Zenit.org) Redacao | 780 visitas

Hoje, o Papa em sua homilia na Santa Marta alertou para os poderes mundanos que gostariam que a religião fosse uma "coisa privada". Mas Deus – destacou o Santo Padre – deve ser adorado até o fim "com fidelidade e paciência”. Os cristãos perseguidos hoje são um sinal da prova como um prelúdio para a vitória final de Jesus, disse.

Na luta final entre Deus e o mal, proposta na liturgia de final de ano, existe um grande perigo, que o papa Francisco chama de "a tentação universal". A tentação de ceder à bajulação de quem quer vencer sobre Deus, se achando melhor do que aquele que acredita Nele. Entretanto, quem crê tem claro para onde deve olhar. É a história de Jesus, nas provações sofridas no deserto e suportadas em sua vida pública, entre insultos e calúnias, até o extremo da Cruz, onde o príncipe do mundo perde a sua batalha diante da Ressurreição do Príncipe de paz. O Papa falou destas passagens da vida de Cristo, porque – explicou- na agitação do final do mundo, descrito no Evangelho, o que está em jogo é algo maior do que o drama representado pelas calamidades naturais.

Então, Francisco disse que “quando Jesus fala desta calamidade, noutra passagem diz-nos que será uma profanação do templo, uma profanação da fé, do povo: será a abominação, será a desolação da abominação. O que significa aquilo? Será como o triunfo do príncipe deste mundo: a derrota de Deus. Parece que naquele momento final de calamidade, ele virá sobre este mundo, será o dono do mundo."

Eis aqui o “teste final”: a profanação da fé. Muito evidente – observa o Papa- no sofrimento do profeta Daniel, na primeira leitura: levado para a cova dos leões por ter adorado a Deus e não ao rei. Portanto, "a desolação da abominação" - reitera Francisco- tem um nome específico "a proibição de adoração".

Assim, explica o Santo Padre: “não é permitido falar de religião, é uma coisa privada, não é? Disto publicamente não se fala: Os símbolos religiosos são tolos. Temos que obedecer às ordens que vêm dos poderes mundanos. Podem-se fazer tantas coisas, coisas lindas, mas adorar Deus não. Proibição de adoração. Mas quando chegar a plenitude - o Kairos desta atitude pagã, quando se cumprir o tempo, então: ‘eles verão o Filho do Homem, vindo numa nuvem com grande poder e glória’. Os cristãos que sofrem tempos de perseguição, tempos de proibição de adoração são uma profecia daquilo que nos acontecerá a todos.”

Por fim, concluiu o Papa, quando “se cumprir o tempo dos pagãos", será hora de levantar a cabeça, porque está 'próximo' a 'vitória de Jesus Cristo'.

E assim, concluiu o Santo Padre: “Não tenhamos medo, Ele apenas nos pede fidelidade e paciência. Fidelidade como Daniel, que foi fiel ao seu Deus e adorou o seu Deus até ao fim. E paciência, porque os cabelos da nossa cabeça não cairão. Assim prometeu o Senhor. Esta semana nos fará bem pensar nesta apostasia geral, que se chama proibição de adoração, e nos questionar: Eu adoro o Senhor? Eu adoro Jesus Cristo, o Senhor? Ou, mais ou menos, faço o jogo do príncipe deste mundo? Adorar até o fim com confiança e fidelidade: esta é a graça que devemos pedir nesta semana.”

(Trad.MEM)