Papa Francisco, o Bom Samaritano

Patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, reconhece em Roma a primazia da caridade

Roma, (Zenit.org) Antonio Gaspari | 947 visitas

Em sua mensagem de saudação ao papa Francesco na audiência realizada na Sala Clementina, no Vaticano, o patriarca ecumênico de Constantinopla, Bartolomeu I, saudou a eleição do novo papa "como o primeiro bispo da venerável Igreja da antiga Roma, que preside na caridade".

Depois de recordar o papa emérito Bento XVI, o patriarca ecumênico identificou na unidade das Igrejas cristãs "a primeira e mais importante das nossas preocupações", fazendo votos de que "o diálogo teológico já iniciado continue (...), na caridade e na verdade, em espírito de humildade e mansidão".

Referindo-se à crise econômica que vem afetando muitos países, o patriarca pediu "a organização de uma ação humanitária" e, voltando-se ao papa, mencionou o "longo e apreciado ministério como Bom Samaritano na América Latina".

De acordo com o patriarca, os cristãos têm o dever de "alimentar os famintos, vestir os nus, curar os doentes, e, no geral, se preocupar com aqueles que estão em necessidade, para ser dignos de ouvir do Senhor: ‘Vinde, benditos do meu Pai, recebei em herança o reino preparado para vós’".

Para Bartolomeu I, a escolha da simplicidade e da essencialidade, feita pelo papa Francisco, "enche de esperança o coração de todos", porque esse critério garantirá que "a justiça e a misericórdia, requisitos mais essenciais da lei, tenham para a Igreja a importância primordial que merecem".