Papa Francisco pede economia a serviço do homem

Transcendental discurso pontifício durante a apresentação de credenciais dos novos embaixadores junto à Santa Sé

Roma, (Zenit.org) | 546 visitas

O papa Francisco fez hoje um forte apelo em prol de uma reforma econômica e ética e em favor da solidariedade genuína nos tempos álgidos que a humanidade vem enfrentando. O pontífice recorda que rejeitar a Deus acarreta a tirania financeira, a corrupção tentacular e a evasão fiscal egoísta.

A Rádio Vaticano relata que o bispo de Roma pronunciou o seu denso discurso ao dar as boas-vindas aos novos embaixadores do Quirguistão, de Antiga e Barbuda, do Grão-Ducado de Luxemburgo e de Botswana perante a Santa Sé.

“Queridos embaixadores”, disse Francisco, “seria conveniente realizar uma reforma financeira que fosse ética e que envolvesse uma reforma econômica saudável para todos. Mas isto exigiria uma mudança audaz de atitude dos dirigentes políticos. Convido vocês a enfrentar este desafio, com determinação e com visão de futuro, levando em conta, é claro, a natureza específica dos seus contextos. O dinheiro tem que servir e não governar! O papa ama a todos, ricos e pobres; mas o papa tem a obrigação, em nome de Cristo, de recordar que os ricos devem ajudar os pobres, respeitá-los, promovê-los. O papa convida à solidariedade genuína e a um retorno da ética em favor do homem na realidade econômica e financeira”.