Papa ordena 19 sacerdotes e adverte: «mundo» contamina a Igreja

A dor do apóstolo, «ver que Deus não é conhecido»

| 2159 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 3 de maio de 2009 (ZENIT.org).- Ao ordenar dezenove sacerdotes neste domingo, Bento XVI constatou que «o mundo», entendido no sentido evangélico, também contamina a Igreja. 

Na homilia da celebração eucarística, presidida na Basílica de São Pedro no Vaticano, o pontífice ofereceu pistas para viver uma vida de santidade aos novos presbíteros da diocese de Roma. 

A metade dos até agora diáconos procediam da Cidade Eterna ou de sua província; outros três eram italianos de outras localidades, e seis de diferentes países: Nigéria, Haiti, Croácia, República Tcheca, Chile e Coréia do Sul.
O Papa lhes alentou a viver uma vida de entrega total a Deus, como a dos apóstolos que mudaram o curso da história anunciando a salvação no nome de Cristo. 

«O discípulo, e especialmente o apóstolo, experimenta o mesmo gozo de Jesus ao conhecer o nome e o rosto do Pai; e compartilha também sua mesma dor ao ver que Deus não é conhecido, que seu amor não é experimentado», explicou o Santo Padre.

«Por um lado exclamamos, como João em sua primeira Carta: "Olhai que amor nos teve o Pai para chamar-nos filhos de Deus, pois o somos!"; e por outra parte, com amargura, constatamos: "O mundo não nos conhece porque não conheceu a ele" (1 Jo 3, 1)».

«É verdade – reconheceu o Papa –, e nós, os sacerdotes, o sabemos por experiência: o "mundo", na acepção de João, não compreende o cristão, não compreende aos ministros do Evangelho. Em parte, porque de fato não conhece a Deus; e em parte, porque não quer conhecê-lo».

«O mundo não quer conhecer Deus e escutar seus ministros, pois isto o poria em crise», declarou.
O mundo, disse, insistindo no sentido evangélico deste termo, «insidia também à Igreja, contagiando seus membros e os próprios ministros ordenados». 

O «mundo», sublinhou, «é uma mentalidade, uma maneira de pensar e de viver que pode contaninar inclusive à Igreja, e de fato a contamina, e portanto exige constante vigilância e purificação».

«Estamos 'no' mundo, e corremos também o risco de ser 'do' mundo. E, de fato, às vezes o somos».
Para poder tender à entrega total a Deus, à santidade, o Papa recomendou aos novos sacerdotes vida de oração, «antes de tudo, na santa missa cotidiana». 

«A celebração eucarística é o ato de oração maior e mais alto e constitui o centro e a fonte da qual também as demais formas de oração recebem a "seiva": a liturgia das horas, a adoração eucarística, alectio divina, o santo Rosário, a meditação». 

«O sacerdote que reza muito e reza bem, vai ficando progressivamente despojado de si mesmo e fica cada vez mais unido a Jesus, Bom Pastor e Servo dos irmãos», assegurou o Papa.

«Em conformidade com ele, também o sacerdote 'dá a vida' pelas ovelhas que lhe foram encomendadas», concluiu.