Papa pede que se reze por bispos e sacerdotes

Lembra a figura do Bom Pastor no Dia de Oração pelas Vocações

| 1478 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 15 de maio de 2011 (ZENIT.org) - "Eu vos convido a uma especial oração pelos bispos - incluído o Bispo de Roma!", exclamou hoje o Papa Bento XVI, ao introduzir a oração do Regina Coeli, neste 4º Domingo da Páscoa, que é também o Dia Mundial de Oração pelas Vocações.

Recordando o Evangelho do dia, o Papa quis apresentar Cristo Bom Pastor como modelo para aqueles que, na Igreja, têm a responsabilidade de guiar os fiéis.

"Neste domingo, surge espontaneamente a lembrança de Deus, dos pastores da Igreja e daqueles que estão se formando para ser pastores."

"Eu vos convido, portanto, a uma especial oração pelos bispos - incluído o Bispo de Roma! -, pelos párocos, por todos aqueles que têm responsabilidades na guia do rebanho de Cristo, para que sejam fiéis e sábios ao levar a cabo seu ministério", disse o Papa.

Ele também quis evocar o testemunho dos pastores recentemente beatificados, João Paulo II, o sacerdote mártir Georg Häfner, e o fundador da Sociedade das Divinas Vocações Justino Russolillo.

"Demos graças ao Senhor porque não deixa que faltem santos sacerdotes em sua Igreja!", acrescentou o Santo Padre aos presentes.

Durante as saudações nos diversos idiomas, o Pontífice se dirigiu aos peregrinos alemães, a quem recordou o exemplo do Pe. Häfner, beatificado hoje em Wüzburg.

No caos da era nacional-socialista, afirmou o Papa, o mártir foi "um pastor fiel até o sacrifício da sua vida pelo rebanho", levando muitas pessoas, mediante a "proclamação da verdade" e a "administração dos sacramentos", às "águas da vida".

Vocações sacerdotais

O Papa pediu, particularmente hoje, orações pelas vocações ao sacerdócio, recordando que, há 60 anos, Pio XII instituiu a Obra Pontifícia para as vocações sacerdotais.

"A feliz intuição do meu predecessor se fundava na convicção de que as vocações crescem e amadurecem nas igrejas particulares, facilitadas por contextos familiares saudáveis e robustecidos pelo espírito de fé, de caridade e de piedade", afirmou o Papa.

Uma vocação se realiza quando a pessoa sai "da sua vontade fechada, da sua ideia de autorrealização, para embrenhar-se noutra vontade, a de Deus, deixando-se guiar por ela", sublinhou.

"Também nesta época, em que a voz do Senhor corre o risco de se perder em meio a tantas vozes, cada comunidade eclesial está chamada a promover e cuidar das vocações ao sacerdócio e à vida consagrada."

"Os homens, de fato, sempre têm necessidade de Deus, também em nosso mundo tecnológico, e sempre haverá necessidade de pastores que anunciem sua Palavra e que façam encontrar o Senhor nos sacramentos", concluiu.