Papa premia uma Abadia do Senegal e um diretor de cinema italiano

Os monges beneditinos inculturaram o canto litúrgico com tradições africanas

| 839 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 9 de novembro de 2004 (ZENIT.org).- João Paulo II entregou esta terça-feira o Prêmio das Academias Pontifícias a uma abadia beneditina do Senegal por ter sabido unir a tradição musical litúrgica da Igreja à cultura africana.



O Santo Padre também premiou o diretor de cinema italiano Ermanno Olmi por ter criado uma escola cinematográfica fundada no «autêntico humanismo».

A abadia beneditina premiada, Keur Moussa (http://www.keurmoussa.com), situada a cerca de cinqüenta quilômetros ao norte de Dakar, foi fundada por monges da abadia francesa de Solesmes, conhecida mundialmente por sua contribuição ao estudo e à interpretação do Canto Gregoriano.

Os religiosos, explicou o Santo Padre no discurso da cerimônia de premiação, na sessão pública das Academias Pontifícias, «puseram-se à escuta das tradições da África, conservando fielmente, ao mesmo tempo, o patrimônio recebido da tradição da Igreja».

A candidatura de Keur Moussa foi proposta pela Academia Pontifícia dos Virtuosos do Panteão e apresentada ao Conselho de coordenação das Academias Pontifícias pelo cardeal Paul Poupard, presidente do Conselho Pontifício da Cultura.

O Prêmio das Academias Pontifícias, que foi recebido pelo padre Ange-Marie Niouky, abade de Keur Moussa, é entregue todos os anos a uma pessoa ou instituição que se tenha destacado por sua contribuição ao desenvolvimento das ciências religiosas, do humanismo cristão e de suas expressões artísticas.

Criada em 1961, a abadia de Keur Moussa pretende oferecer aos cristãos senegaleses a possibilidade de abraçar a vida monástica beneditina e de testemunhar aos não-cristãos (na região, a maioria da população é muçulmana) a vida monástica de oração e trabalho.

O testemunho dos primeiros monges procedentes de Solesmes foi enriquecido por vocações locais até o ponto de que a comunidade conta hoje com quarenta membros, dos quais dois terços são do país africano.

Em seus primeiros anos de fundação, os monges criaram também instituições de educação e assistência à saúde, que hoje são dirigidas por religiosas (um dispensário médico) ou leigos (uma escola primária e ajuda social), ainda que mantenham uma próxima relação com os monges.

O Papa entregou também a Medalha do Pontificado «à escola de cinematografia “Hipótese Cine”», fundada e dirigida pelo diretor de cinema italiano Ermanno Olmi, «por sua pedagogia baseada no autêntico humanismo», segundo constatou em seu discurso, lido na cerimônia pelo arcebispo argentino Leonardo Sandri, substituto da Secretaria de Estado.

Olmi (Treviglio, Bérgamo, 1931) dirigiu filmes de êxito internacional como «Cantando dietro i paraventi» (2003), «Il mestiere delle armi» (2001), «La genesi – La creazione e il dilúvio» (1994), «La leggenda Del Santo Bevitore» (1988).

Olmi criou há mais de vinte anos «Hipótese Cine» («Ipotesi cinema», em italiano) em resposta aos jovens que lhe pediam para participar da rodagem de seus filmes. Mais que uma escola de cinema, é considerada uma «escola de vida».

O Santo Padre também entregou a Medalha do Pontificado ao Coro Interuniversitário de Roma, dirigido pelo professor dom Massimo Palombella, «pelo serviço oferecido ao culto divino e à cultura musical».