Papa: templo, «símbolo da Igreja viva, a comunidade cristã»

Intervenção por ocasião do Ângelus

| 1763 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 9 de novembro de 2008 (ZENIT.org).- Publicamos as palavras pronunciadas por Bento XVI neste domingo, do balcão do seu escritório no Palácio Apostólico Vaticano, antes de recitar o Ângelus com os peregrinos e fiéis reunidos na Praça de São Pedro.

* * *

Caros irmãos e irmãs!

A liturgia nos faz celebrar hoje a Dedicação da Basílica Lateranense, chamada de «mãe e cabeça de todas as Igrejas da Urbe e do Orbe». De fato, esta basílica foi a primeira a ser construída depois do edito do imperador Constantino que, em 313, concedeu aos cristãos a liberdade de praticar sua religião. O mesmo imperador doou ao Papa Melquíades a antiga posse da família dos Lateranos e fez edificar a Basílica, o Batistério e o Patriarchio, isto é, a residência do Bispo de Roma, onde os Papas habitaram até o período avinhonês. A dedicação da Basílica foi celebrada pelo Papa Silvestre em 324 e o templo foi intitulado ao Santíssimo Salvador; só depois do século VI foram acrescentados os títulos dos Santos João Batista e João Evangelista, daí a denominação comum. Este fato interessou primeiramente só a cidade de Roma; depois, a partir de 1565, estendeu-se a todas as Igrejas de rito romano. De tal modo, honrando o edifício sacro, tenta-se exprimir amor e veneração pela Igreja romana que, como afirma Santo Inácio de Antioquia, «preside a caridade» de toda comunhão católica (Aos Romanos, 1, 1).

A Palavra de Deus nesta solenidade reforça uma verdade essencial: o templo de tijolos é símbolo da Igreja viva, a comunidade cristã, que já os Apóstolos Pedro e Paulo, em suas cartas, entendiam como «edifício espiritual», construído por Deus com as «pedras vivas» que são os cristãos, sobre o único fundamento que é Jesus Cristo, comparado, por sua vez, à «pedra angular» (cf. 1 Cor 3, 9-11.16-17; 1 Pd 2, 4-8; Ef 2, 20-22). «Irmãos, sois edifício de Deus», escreve São Paulo; e acrescenta: «santo é o templo de Deus, que sois vós» (1 Cor 3, 9c.17). A beleza e a harmonia das igrejas, destinadas a render louvores a Deus, convida também nós, seres humanos, limitados e pecadores, a converter-nos para formar um «cosmo», uma construção bem ordenada, em estreita comunhão com Jesus, que é o verdadeiro Santo dos Santos. Isso vem de modo culminante na liturgia eucarística, no qual a ecclesìa, isto é, a comunidade dos batizados, encontra-se unida para escutar a Palavra de Deus e para nutrir-se do Corpo e Sangue de Cristo. Em torno desta dúplice mesa, a Igreja de pedras vivas se edifica na verdade e na caridade e é interiormente plasmada pelo Espírito Santo, transformando-se naquilo que recebe, conformando-se sempre mais ao seu Senhor Jesus Cristo. Essa mesma, se vivida na unidade sincera e fraterna, torna-se assim sacrifício espiritual agradável a Deus.

Caros amigos, a festa de hoje celebra um mistério sempre atual: Deus quer edificar no mundo um templo espiritual, uma comunidade que o adore em espírito e verdade (cf. Jo 4, 23-24). Mas este fato nos recorda também a importância dos edifícios materiais, nos quais a comunidade se reúne para celebrar os louvores a Deus. Cada comunidade tem, portanto, o dever de guardar com cuidado os próprios edifícios sacros, que constituem um precioso patrimônio religioso e histórico. Invocamos, por isso, a intercessão de Maria Santíssima, para que nos ajude a tornar-nos, como Ela, «casa de Deus», templo vivo de seu amor.

[Tradução: José Caetano. Revisão: Aline Banchieri.

© Copyright 2008 - Libreria Editrice Vaticana]