Papa une dor do mundo à dor de Cristo na Via Sacra

Em particular, das vítimas do terremoto de Áquila

| 1283 visitas

ROMA, sexta-feira, 10 de abril de 2009 (ZENIT.org).- Bento XVI uniu a dor do mundo, em particular das vítimas do terremoto na Itália, à dor de Cristo, na multitudinária Via Sacra que presidiu na noite desta Sexta-Feira Santa, no Coliseu.

Falando da colina do Palatino, que se encontra em frente ao famoso anfiteatro, o Papa pronunciou uma meditação e, ao final, deixou de lado o texto que havia preparado para exortar: “rezemos com todos os aflitos; rezemos sobretudo pelos que sofrem na terra de Áquila, atingida pelo terremoto”.

“Rezemos para que também, nesta noite escura, apareça para eles a estrela da esperança, a luz do Senhor ressuscitado”, desejou.

Do mesmo lugar, o Papa acompanhou de joelhos as quatorze estações do Caminho da Cruz que Jesus percorreu em Jerusalém.

A Via Sacra atravessou o interior do Coliseu –o famoso anfiteatro Flavio, que recorda os sofrimentos dos primeiros cristãos–, continuou pelo Arco de Tito e concluiu na colina do Palatino.

O cardeal vigário de Roma, Agostino Vallini, levou a Cruz na primeira e na última estação. Também a conduziram um jovem deficiente, ajudado por um médico da Ordem de Malta; uma família romana; um enfermo acompanhado de uma monja; uma jovem asiática e duas monjas indianas; duas jovens de Burkina Faso e dois frades franciscanos da Custódia da Terra Santa.

Nas meditações da Via Sacra, compostas por Dom Thomas Menamparampil, SDB, arcebispo de Guwahati, Índia, ressoou o sofrimento dos cristãos perseguidos ultimamente nos cinco continentes.

Em sua meditação final, o Papa convidou os peregrinos dos a se deterem em contemplação do rosto de Cristo, “desfigurado: é o rosto do Homem das dores, que assumiu todas as nossas angústias mortais”.

“O seu rosto reflete-se no de cada pessoa humilhada e ofendida, doente e atribulada, só, abandonada e desprezada”, assegurou.

E assegurou: “derramando o seu sangue, resgatou-nos da escravidão da morte, quebrou a solidão das nossas lágrimas, entrou em cada uma das nossas penas e aflições”.

Bento XVI, que participa de todas as celebrações litúrgicas da Semana Santa, às 21h deste sábado presidirá na Basílica Vaticana à Vigília de Páscoa.

No domingo, presidirá a missa da ressurreição, às 10h15, na Praça de São Pedro. Às 12h, do balcão central da Basílica, dará a bênção "Urbi et Orbi", que será transmitida por TVs do mundo todo.