“Papa verde”: análise do porta-voz vaticano

O Pe. Lombardi mostra como Bento XVI apresenta a ecologia

| 1686 visitas

CIDADE DO VATICANO, domingo, 20 de setembro de 2009 (ZENIT.org).- Diante do apelativo atribuído pela mídia para qualificar Bento XVI como o “Papa verde”, o porta-voz vaticano ilustrou sua abertura ecológica profundamente arraigada em sua visão religiosa e ética.

“Efetivamente, no magistério de Bento XVI, os pronunciamentos sobre a proteção do ambiente e a salvaguarda da criação são frequentes; poderíamos dizer que são quase contínuos”, reconhece o Pe. Federico Lombardi, SJ, diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé.

Em sua análise, transmitida pela última edição de Octava Dies, semanário do Centro Televisivo Vaticano, do qual também é diretor, o sacerdote reconhece que “a humanidade é cada vez mais consciente e está preocupada pelas consequências da atividade do homem sobre os frágeis equilíbrios do planeta”.

A intervenção do porta-voz acontece às vésperas da cúpula que as Nações Unidas convocaram para o dia 22 de setembro em Nova York sobre as mudanças climáticas, com o objetivo de preparar o encontro crucial da conferência mundial em Copenhague, no final de novembro.

Neste contexto, sublinha Lombardi, “o Papa oferece um marco de sólidas referências religiosas, racionais e morais para estabelecer programas de ação eficazes e para novos comportamentos e estilos de vida adequados a um desenvolvimento responsável”.

O porta-voz destaca a importância que a última encíclica, Caritas in veritate, dá a temas como “a exploração dos recursos não-renováveis e a justiça com os povos mais pobres, a questão dos consumos energéticos, a responsabilidade diante das gerações futuras, a relação entre ecologia e respeito da vida”.

Mas, como explica o Pe. Lombardi, sintetizando a proposta de Bento XVI, “é necessário sobretudo aprender a ver na criação algo mais que uma simples fonte de riqueza e de exploração nas mãos do homem”.

“É preciso ver a criação como o que é realmente: uma expressão de um projeto de amor e de verdade que nos fala do Criador e do seu amor pela humanidade”, sublinha.

“Os acordos e compromissos dos políticos poderão alcançar o objetivo somente sobre a base de motivações e atos compartilhados e compreendidos pelos seus povos”, assegura.

“Temos necessidade de dar sentido ao caminho e ao desenvolvimento da humanidade. O ‘Papa verde’ e a Igreja sabem bem disso e por isso oferecem este serviço”, conclui o Pe. Lombardi.