Pastoral Familiar como eixo da ação da Igreja

Organismo quer fortalecer sua presença nas dioceses brasileiras

| 1263 visitas

Por Alexandre Ribeiro

BRASÍLIA, domingo, 6 de julho de 2008 (ZENIT.org).- A Pastoral Familiar como o eixo transversal da ação apostólica da Igreja: assim ela deve ser promovida, explica um sacerdote brasileiro.

Em âmbito nacional, a Pastoral Familiar atua como organismo vinculado à Comissão Episcopal Pastoral para a Vida e Família da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil).

Ela tem a função de motivar a estruturação desse tipo de pastoral nas dioceses, assim como fornecer subsídios e funcionar como centro motivador, a partir de seu escritório em Brasília.

O padre Luiz Antônio Bento, um dos responsáveis pelo organismo, explicou a Zenit que a Pastoral Familiar estabeleceu algumas ações estratégicas para os próximos três anos no Brasil.

Isso foi justamente o que se discutiu durante o recente encontro nacional da Pastoral, realizado em São Paulo, de 20 a 22 de junho.

Ficou estabelecido que para o restante de 2008, matém-se o enfoque na questão da defesa da vida, tema já trabalhado na Campanha da Fraternidade deste ano.

Para 2009, a Pastoral Familiar vinculará seus esforços à área da catequese, já que no país se viverá um ano catequético. Assim, se promoverão os temas da vida e família junto da catequese nas paróquias e também nas escolas.

Já em 2010, o enfoque serão os casos especiais, com particular o trabalho junto dos casais em segunda união. 

Segundo pe. Bento, há um esforço muito grande das comunidades para o florescimento da Pastoral Familiar.

«Eu sinto um novo alento da Pastoral Familiar, um novo ardor. O Documento de Aparecida chama essa Pastoral de eixo transversal da ação pastoral. As diretrizes para a evangelização no Brasil também enfatizam isso.»

Segundo o assessor da CNBB, ser um «eixo transversal da ação pastoral» significa que de alguma forma os demais campos de apostolado da Igreja --educação, vocação, caridade, etc--, esbarram no campo da família.

«A família é uma força de sustentação, uma instituição fundamental, fortalecer a família é obter uma sociedade mais justa, humana e cristã», afirmou o sacerdote.