Patriarca pede comunhão de amor na Igreja

Dom José Policarpo, na Missa da Ceia do Senhor

| 1124 visitas

LISBOA, sexta-feira, 10 de abril de 2009 (ZENIT.org).- O Cardeal-Patriarca de Lisboa, Dom José Policarpo, pediu nessa Quinta-Feira Santa, durante a celebração da Ceia do Senhor, na Sé Patriarcal, que a Igreja seja «casa de comunhão» e «comunhão de amor».

«Cristo institui a Eucaristia por causa da Igreja. “Fazei isto em minha memória”! “Eu dei-vos o exemplo, para que assim como Eu fiz, vós façais também”. No rosto de Cristo, naquela noite, brilha a sua esperança na Igreja», disse Dom José na homilia.

Na Páscoa de Jesus «começa um longo caminho de transformação do mundo, que abraça o que resta da história da humanidade, “até que Ele venha”».

«Jesus sabe que os discípulos são um “pequenino rebanho”, mas sabe também que se eles forem a Páscoa continuada, transformarão o mundo», destaca.

De acordo com o Cardeal-Patriarca, «em cada Eucaristia da Igreja resplandece o rosto eucarístico de Cristo. Em cada Eucaristia a Palavra eterna de Deus continua a ser criadora. É na Eucaristia que a Igreja se torna a “casa da Palavra”».

«Mas a Igreja só será a “casa da Palavra” se for a “casa da comunhão”, da profunda comunhão com Cristo, na mesma Eucaristia. Na sua experiência de amor, a própria Igreja adquire um “rosto eucarístico”».

Dom José Policarpo afirmou que a «comunhão de amor é a força que transforma o mundo, porque é experiência e anúncio da comunhão definitiva em Deus, futuro grandioso da humanidade».

«Na Igreja, comunhão de amor, resplandece o rosto eucarístico de Cristo, a Palavra de amor com que Deus continua a iluminar a humanidade», disse.