Pe. Federico Lombardi: "Foi uma extraordinária experiência de entusiasmo dos jovens e do povo

Coletiva de Imprensa com Pe. Federico Lombardi nessa segunda-feira (22)

Rio de Janeiro, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 516 visitas

O Papa está muito feliz pelo modo como Rio e Brasil demonstraram a sua alegria pela sua vinda aqui, disse hoje às 20hs, na primeira coletiva de imprensa da JMJ, Pe. Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, no Media Center de Copacabana.

Pe. Lombardi falou sobre o acontecido durante o percurso no carro, do aeroporto ao Palácio de Guanabara. “A impressão foi muito boa. Foi uma extraordinária experiência de entusiasmo dos jovens e do povo”, disse.

O secretário do Papa – afirmou o porta-voz – “me disse que o Papa estava sempre sorrindo e muito feliz”, ainda que confiou que o secretário teve medo em alguns momentos. Principalmente quando o cortejo errou a rota “e ali houve um momento de um pouco de dificuldade”. A preocupação “é que o entusiasmo podia ser tão grande que seria difícil controlar”, mas não houve medo e nem preocupação, assegurou Lombardi.

A última parte do itinerário do Papa – afirmou Pe. Lombardi - foi feita em helicóptero por uma decisão das autoridades brasileiras, devido as manifestações em torno do palácio de Guanabara.

Assegurou porém que a viagem do Papa “foi maravilhosa e muito tranquila”.  E encontrou-se com os jornalistas, num encontro muito pessoal e cordial, no qual tratou principalmente dois pontos.

“O Papa explicou sua perspectiva sobre a JMJ” que é “ver a juventude não como algo separado, mas os jovens devem ser sempre vistos num contexto mais amplo da sociedade”. E nesse contexto o Papa fala dos jovens e dos velhos. “Os jovens tem a força e os velhos tem a sabedoria. Não devemos separar as diversas partes da sociedade, mas temos necessidade dos dois. Os jovens tem que ser vistos na totalidade da sociedade, disse o Papa aos jornalistas.

O segundo ponto no discurso com os jornalistas, referido pelo Pe. Lombardi, foi contra a cultura do descartável e a favor de uma cultura da inclusão e do encontro, tratando especialmente da falta de trabalho para os jovens e a necessidade do seu desenvolvimento pleno.

O Papa pede a ajuda dos jornalistas porque ele veio dar a sua mensagem, e, sem os jornalistas a sua missão será parcial, afirmou o Porta-voz.

Disse Pe. Lombardi que a "viagem foi muito tranquila mas muito ativa. O Papa tem muita energia. Praticamente não descansa nunca. É incrível.”

Tocando no ponto do seu discurso à Presidente no Palácio Guanabara, Pe. Federico Lombardi destacou o fato do Papa ter indicado bem a sua preocupação pelo Brasil e pelos jovens. Foi um discurso dirigido aos jovens brasileiros e latino-americanos.

Pe. Lombardi relatou o encontro pessoal ocorrido no Palácio Guanabara e disse que os principais pontos do colóquio foram que “a presidente ficou muito impressionada com o discurso do Papa em Lampedusa”, discurso pronunciado há alguns dias atrás, quando o Papa falou muito forte da acolhida dos refugiados. Outros pontos são: o tema da cultura do encontro, da inclusão laboral dos jovens, e por último, o desejo da presidenta de que essa visita ajude no encorajamento da fé católica no Brasil.

Respondendo à pergunta de um jornalisa sobre a visita do Papa à Aparecida, Pe. Lombardi disse que o Papa tem uma grande devoção mariana e esse foi exatamente o seu primeiro desejo quando foi confirmada a Jornada no Rio de Janeiro. “Disse expressamente ao organizador da programação – afirmou o Porta-voz vaticano – que tinha que colocar na agenda uma viagem a Aparecida”. E pegou um dos dois dias de repouso previstos no programa inicial de Bento XVI e colocou essa visita a Aparecida.