Peregrinação e Santuário não são simples feitos culturais, afirma arcebispo

Fátima acolhe congresso sobre destinos religiosos e cidades-santuário

| 1590 visitas

FÁTIMA, quinta-feira, 4 de maio de 2009 (ZENIT.org).- O presidente do Conselho Pontifício para a Pastoral dos Migrantes e Itinerantes, arcebispo António Maria Vegliò, afirma que reduzir “a peregrinação ou o Santuário a um simples feito cultural, social, folclórico ou econômico” é “uma interpretação errônea”.

O arcebispo enviou mensagem ao II Congresso Ibero-Americano de Destinos Religiosos/ V Congresso Internacional de Cidades-Santuário, texto lido na manhã de hoje, na sessão de abertura do evento que reúne em Fátima cerca de quatrocentos congressistas de 25 diferentes países.

Embora as vertentes culturais e sociais estejam presentes, “devemos considerar que a peregrinação e o Santuário são, antes de tudo e sobretudo para nós, uma expressão religiosa, uma manifestação de fé”, afirma o prelado, segundo informa o Santuário de Fátima.

Na peregrinação e no Santuário, reiteram, o “elemento religioso aparece como originante, primordial e integrador”. Os demais elementos “devem estar em função deste”.

Segundo o representante vaticano, é necessário “tutelar a identidade e particularidade do Santuário, reconhecendo o motivo peculiar de piedade que atrai os peregrinos, estabelecendo os modos de favorecer essa devoção e, através dela, potenciar o culto e o crescimento espiritual dos fiéis”.

Já o reitor do Santuário de Fátima, padre Virgílio Antunes, na sua saudação de acolhimento aos congressistas, destacou que o respeito pela peregrinação “exige que se renuncie à tentação de subjugar tudo ao fator económico”.

Isso “constituiria um desvirtuar de algo que é muito mais do que as suas implicações econômicas”, disse

O reitor recordou que o fenômeno da mobilidade humana por motivos religiosos, da peregrinação, e, no mundo contemporâneo, do turismo religioso, atravessa todos os períodos da história conhecida.

“Está presente, e cada vez mais presente, no nosso mundo, apesar do crescimento do laicismo e mesmo apesar do enfraquecimento de algumas estruturas e instituições religiosas tradicionais”, disse o sacerdote.

O Congresso sobre destinos religiosos e cidades-santuário, que decorre até sábado, é iniciativa da Câmara Municipal de Ourém, a que se associam o Santuário de Fátima, a Entidade Regional de Turismo – Pólo de Desenvolvimento Turístico Leiria/Fátima, a ACISO – Associação Empresarial Ourém-Fátima e o Centro de Investigação Identidades e Diversidades do Instituto Politécnico de Leiria.