Peru: Os Bispos preocupados pela futura Lei Universitária

Uma Superintendência Nacional liderada pelo atual governo controlaria as orientações das universidades

Roma, (Zenit.org) Redacao | 397 visitas

Os bispos peruanos manifestaram preocupação com "as várias posições levantadas sobre o projeto de Lei Universitária” e conscientes da importância de tal tema emitiram um comunicado sobre o assunto assumindo uma posição. Fizeram-no depois da 103ª Assembleia Geral Ordinária da Conferência Episcopal Peruana.

E por isso exortaram a realização de “um debate participativo e técnico que tenha como norte conseguir que as universidade sejam espaços que garantam o crescimento e a realização humana, mas respeitando a sua autonomia e outros direitos e garantias reconhecidos pela nossa Constituição". A CEP em sua declaração também "reafirma o seu compromisso de contribuir para este debate".

Além do mais, convidou o Congresso e outros poderes do Estado “a não perder de vista o seu dever constitucional de promover o bem-estar geral, que se fundamenta na justiça e no desenvolvimento humano integral de todos os peruanos”.

A proposta da nova lei universitária no Perú será debatida em março no parlamento. O ponto mais polêmico da proposta de Lei é a criação de uma "Superintendência Nacional de Educação Universitária", à qual deverão referir-se todas as universidades, que serão dirigidas pelo governo. Diante disso vários setores da sociedade reagiram, porque vêem nisso uma violação da autonomia política, administrativa e acadêmica de cada centro.

Os bispos recordam que “as universidades nasceram para que, por meio do caminho do conhecimento e do desenvolvimento pessoal, o ser humano seja mais livre”. A Igreja – explica o comunicado – participou ativamente no nascimento das universidades; concretamente no Peru fundou a Universidade Nacional Maior de São Marcos, uma das mais antigas da América. Porque há mais de quatro séculos que “a Igreja está comprometida com a formação integral de milhões de peruanos através de escolas, institutos superiores e universidade por todo o país”.

Além disso, os bispos do Peru destacam que a Igreja Católica, no âmbito do Acordo Internacional entre a Santa Sé e a República do Peru, “desenvolve por meio de suas universidades um intenso trabalho de educação humanística, pesquisa científica e promoção da cultura". Assim, consideram positivo procurar melhorar o sistema universitário do país e que aconteça em um clima de diálogo frutífero, “sem que gere polarização e nem coloque em risco o futuro da universidade no Peru”.