Pessoas deficientes também podem mudar o mundo

Uma iniciativa do movimento «Os Amigos», da Comunidade de Sant’Egídio

| 748 visitas

ROMA, sexta-feira, 16 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- As pessoas deficientes devem saber que não estão condenadas a uma vida de solidão, mas que podem contribuir para a transformação do mundo, afirma Stefano Capparucci, membro da Comunidade de Sant’Egídio.



Capparucci descreve a filosofia que está por trás do movimento «Os Amigos» da Comunidade, que busca encontrar formas de usar da melhor maneira os talentos e os dons das pessoas deficientes.

«Desejamos que as pessoas deficientes saibam que sua limitação não é tão importante como para impedi-las de ajudar os demais», diz à Zenit.

Nesta semana, o movimento «Os Amigos» promove a segunda mostra anual «Crianças do Mundo. O Mundo das Crianças. Obras de artistas com deficiência», no bairro romano do Trastevere.

A mostra, aberta até o dia 18 de novembro, apresenta a obra de 330 artistas, de 12 estúdios de Roma, e está patrocinada pela Cidade de Roma e por numerosas organizações, museus e entidades comerciais.

«Alguns artistas não podem falar, mas sabem comunicar o próprio mundo através das suas pinturas», explicou Capparucci.

Os quadros, moldurados artisticamente, tocam temas como a África, o nascimento de Cristo ou a família. Vão do abstrato aos gêneros mais tradicionais, incluído um ícone clássico da Virgem com o Menino.

As obras estão à venda e o dinheiro arrecadado será entregue diretamente ao projeto DREAM («Drug Resources Enhancement against AIDS and Malnutrition»), de Sant’Egídio, para a luta contra a Aids e a desnutrição na África.

Outra iniciativa do movimento «Os Amigos» é o «Restaurante dos Amigos».

Em pleno Trastevere, o restaurante é uma oportunidade para as pessoas deficientes, porque oferece trabalho como staff de apoio e expõe todo ano os quadros de artistas com deficiência.

O staff do restaurante é completamente voluntário. Somente os cozinheiros e os empregados deficientes recebem uma remuneração. Também neste caso, os benefícios são encaminhados ao programa DREAM.

O Movimento «Os Amigos», sublinhou Capparucci, não quer somente ajudar as pessoas deficientes: «oferece também explicações às pessoas que têm um pouco de medo do mundo da deficiência. Não é um mundo de tristeza, mas de grande alegria».