Porta-voz do Vaticano divulga esclarecimentos sobre as ligações telefônicas do papa

Não é atividade pública: as notícias divulgadas e amplificadas pela mídia não são confiáveis e podem ser fonte de confusão

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Redacao | 661 visitas

O pe. Federico Lombardi, porta-voz do Vaticano, considerou oportuno fazer alguns esclarecimentos sobre a chamada telefônica que o Santo Padre fez no dia 21 de abril a uma senhora argentina, casada com um divorciado. Ela tinha escrito um e-mail para o papa no mês de setembro dizendo sentir-se “uma católica de segunda classe”.

A mídia fez diversas interpretações sobre a ligação do papa, algumas forçadas, como a suposta “autorização a uma divorciada para comungar”.

Em um breve comunicado divulgado hoje, o pe. Lombardi afirma que o papa costuma telefonar para vários fieis a fim de conversar com eles. "Nas relações pessoais pastorais do papa Francisco, ele já fez várias ligações para conversar com as pessoas".

Lombardi precisou, como adiantado ontem por ZENIT, que "não se trata, absolutamente, de atividade pública do papa. Não se devem esperar informações ou comentários da assessoria de imprensa [da Santa Sé]".

Lombardi também afirma que esse tipo de notícia, apoiada apenas no relato de quem conversou com o papa, costuma ser fonte de confusão e sofrer uma amplificação midiática desproporcional: "As notícias difundidas sobre essa matéria, bem como a sua amplificação midiática, não têm confirmação alguma de confiabilidade e são fontes de mal-entendidos e de confusão", diz o comunicado.

Neste caso, em particular, as interpretações foram muito forçadas e imprecisas. Chegou-se a interpretar que uma mulher casada com um divorciado era divorciada também e que a ligação do papa significava que os divorciados poderiam passar a comungar.

“Deve-se evitar deduzir consequências relativas à doutrina da Igreja a partir destas circunstâncias”, avisa Lombardi.