Porta-voz vaticano confirma compromisso da Igreja contra pedofilia

Após a indenização oferecida a vítimas pela arquidiocese de Los Angeles

| 578 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 17 de julho de 2007 (ZENIT.org).- A indenização que a arquidiocese de Los Angeles ofereceu às vítimas de atos de pedofilia de sacerdotes é uma prova do compromisso contra esses crimes, confirma o porta-voz da Santa Sé.



A arquidiocese norte-americana anunciou no dia 15 de julho que havia alcançado um acordo para oferecer 660 milhões de dólares a 500 supostas vítimas destes abusos.

O arcebispo de Los Angeles, cardeal Roger M. Mahony, pediu desculpas pessoalmente a cada uma das vítimas causadas por qualquer sacerdote, religioso, diácono ou leigo da arquidiocese.

Uma nota publicada pelo padre Federico Lombardi S,J., diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, e diretor geral da «Rádio Vaticano», explicou que este acordo quer ser também um compromisso para o futuro.

«O acordo alcançado pela arquidiocese de Los Angeles para indenizar um grande número de casos de abuso sexual por parte de sacerdotes, religiosos e leigos da arquidiocese, sucedidos nas décadas passadas, é uma notícia que compreensivelmente atraiu muita atenção, tanto pelo número de casos considerados, como pela quantidade da indenização», explica o padre Lombardi.

«Mas – acrescenta –, como declarou o cardeal Mahoney, em linha com o que em várias ocasiões João Paulo II e Bento XVI disseram, a Igreja está entristecida pelo sofrimento das vítimas e de suas famílias, pelas profundas feridas causadas pelos graves comportamentos de alguns de seus membros, e está decidida a comprometer-se de todas as maneiras para evitar que se repitam semelhantes atos nefandos».

«O acordo alcançado, com os sacrifícios que implica, também é um sinal deste compromisso, da decisão de fechar uma página dolorosa para olhar ao futuro, prestando atenção à preservação e à criação de um ambiente cada vez mais seguro para as crianças e jovens em todos os âmbitos da pastoral da Igreja», sublinha.

«Dado que o problema dos abusos da infância e de sua adequada salvaguarda não afeta somente a Igreja, mas a outras tantas instituições, é justo que também estas tomem com decisão as medidas necessárias», considera o porta-voz vaticano.

«A Igreja, consciente de sua responsabilidade educativa com a juventude, pretende portanto participar como protagonista da luta contra a pedofilia, que por sorte está envolvendo setores mais amplos da sociedade em muitos países do mundo», conclui o padre Lombardi.