Porta-voz vaticano elogia testemunho cristão de reconciliação de Ingrid Betancourt

Ela recebeu hoje o prêmio Príncipe das Astúrias da Concórdia 2008

| 529 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 10 de setembro de 2008 (ZENIT.org).- O Pe. Federico Lombardi, S.J., diretor da Sala de Informação da Santa Sé, elogiou o testemunho cristão de reconciliação oferecido pela colombiano-francesa Ingrid Betancourt, premiada nesta quarta-feira com o prêmio Príncipe das Astúrias da Concórdia 2008, um dos mais prestigiados na Espanha.

Betancourt foi libertada, após permanecer seqüestrada durante mais de 6 anos nas mãos das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC), pelo Exército da Colômbia, em 2 de julho passado, em uma operação que também libertou 3 americanos e 11 militares colombianos.

O porta-voz do Vaticano recorda que após a audiência que Bento XVI concedeu a Betancourt, em 1º de setembro, a ex-candidata à presidência colombiana fez um apelo aos chefes da guerrilha para que abram seus corações ao amor e ao perdão, abandonando as armas e libertando os seqüestrados.

«Seu testemunho, repleto de traços explicitamente espirituais e cristãos, talvez corra o risco de não ser levado a sério por uma mentalidade laicista; mas em um cativeiro tão longo, as perspectivas sobre o que é verdadeiramente importante na vida mudam; e isso não é testemunhado apenas pela Ingrid, mas também por outros seqüestrados», explica o Pe. Lombardi na última edição de Octava Dies, jornal do Centro Televisivo Vaticano, do qual também é diretor.

«As ideologias se ofuscam e aparece em primeiro plano o que está no fundo do coração – acrescenta o porta-voz: aquilo em que se crê e que permite que as relações com os demais se baseiem no respeito, na fraternidade e na paz.»

«Sem fé não há esperança e sem esperança não há força para continuar lutando por um mundo reconciliado», afirma o Pe. Lombardi, citando Ingrid.

O Pe. Lombardi deseja que Betancourt «possa continuar anunciando precisamente esta mensagem de paz. Será a contribuição mais bela que esta mulher frágil, ressurgida milagrosamente da selva, poderá dar a nosso mundo enfermo de ódio».

Nascida em Bogotá (Colômbia) em 1961, Ingrid Betancourt, após ser deputada e senadora, renunciou ao cargo para se candidatar às eleições presidenciais da Colômbia em 2002, ano no qual foi seqüestrada.

O outro candidato finalista para receber o prêmio Príncipe das Astúrias da Concórdia foi o Pe. Enrique Figaredo S.J., nomeado por João Paulo II como prefeito da prefeitura apostólica de Battambang (Camboja). Sua candidatura buscava reconhecer sua luta contra as minas terrestres.