Porta-voz vaticano: transparência sem nenhuma “cultura do segredo”

Intervenção do Pe. Lombardi em um seminário de porta-vozes da Igreja

| 1278 visitas

ROMA, quinta-feira, 29 de abril de 2010 (ZENIT.org).- Uma porta aberta entre o Vaticano e o mundo das comunicações sociais: esta foi a definição da Sala de Imprensa da Santa Sé dada pelo Pe. Federico Lombardi, ao intervir hoje no congresso Church and communications. Identity and dialogue (Igreja e comunicações. Identidade e diálogo), realizado esta semana na Universidade Pontifícia da Santa Cruz, em Roma.

Segundo informou a Rádio Vaticano, o porta-voz da Santa Sé explicou que a comunicação do Vaticano caminha em dois sentidos.

"Comunicamos textos, informações, documentos da Santa Sé ao mundo das comunicações, mas recebemos também perguntas, buscamos entender problemas e interrogações para propor aos nossos superiores na Santa Sé questões a serem enfrentadas, respostas a serem dadas às perguntas."

O sacerdote jesuíta reafirmou a importância de uma relação serena, objetiva e espontânea com os jornalistas.

"Jamais posso dizer que a mídia seja má. Creio que seria um grave erro. Sei que a mídia reflete muitas posições e diferentes atitudes e também muitas capacidades profissionais que entram em diálogo comigo, que a meu ver interpretam as expectativas de um público amplo."

Sublinhando o valor de uma fonte de confiança, o Pe. Lombardi recordou a necessidade de uma maior transparência na comunicação da Igreja.

E pediu para "dar sempre mais a informação que nós podemos e sabemos dar, de modo tal que se reduza a impressão que muitos têm de que nós temos uma cultura do segredo ou de coisas a serem escondidas".

O diretor da Sala de Imprensa referiu-se ao problema dos abusos a menores, cometidos por alguns religiosos.

"Creio que este seja um tema que não se deve absolutamente eliminar ou esquecer; aliás, creio que seja nossa tarefa conseguir fazer com que se desenvolva a comunicação na Igreja e na sociedade em nosso meio numa direção mais positiva."

Recordou, finalmente, as atividades mais relevantes da agenda pontifícia nos próximos meses, entre as quais está a viagem de Bento XVI à Inglaterra, prevista para setembro, durante a qual haverá a beatificação do cardeal John Henry Newman.

"É muito interessante - disse. Isso significa evidentemente que o Santo Padre tem um particular interesse pela figura do Cardeal Newman, mesmo porque é o evento fundamental durante essa viagem, que evidentemente desejava fazer e considerava oportuno fazê-la."