Portugal: cidades participam de mobilização contra pena de morte

Iniciativa da Comunidade de Santo Egídio acontece dia 30 de novembro

| 848 visitas

LISBOA, quinta-feira, 29 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- Dez cidades portuguesas vão unir-se à maior mobilização internacional contra pena de morte, promovida pela Comunidade católica de Santo Egídio, no dia 30 de novembro.

Segundo informa Agência Ecclesia, do episcopado de Portugal, é a primeira vez que o país marca presença nesta iniciativa, que irá juntar este ano 700 cidades de 51 países, nos cinco Continentes.

Esta é a maior manifestação pública realizada até hoje para pedir o fim da pena capital em todos os países do mundo.

«Cidades pela vida: Cidades contra a pena de morte» é o mote para a iniciativa, que conta com o apoio das principais organizações de defesa dos Direitos Humanos (Amnistia Internacional, Ensemble contre la Peine de Mort, International Penal Reform, FIACAT) e a World Coalition Against the Death Penalty.

As 10 cidades portuguesas que se associam a esta iniciativa são Batalha, Cascais, Castanheira de Pêra, Castelo de Paiva, Ferreira do Alentejo, Marco de Canaveses, Matosinhos, Paredes, Paredes de Coura e Seia.

A Jornada acontece numa data histórica: a 30 de novembro de 1786 a pena de morte foi abolida pela primeira vez num Estado ocidental – o Grão-Ducado da Toscana.

Há duas semanas, a 3ª Comissão da Assembléia Geral das Nações Unidas aprovou uma moratória contra a pena de morte. 99 países votaram a favor, 52 contra e 33 abstiveram-se.

A resolução expressa preocupação pela contínua aplicação da pena de morte e chama os países que a mantêm nos seus códigos penais, a estabelecer uma moratória das execuções com o objetivo de as abolir. Antes de discutir esta moratória, a ONU recebeu 5 milhões de assinaturas contra a pena de morte, numa iniciativa promovida por Santo Egídio.

A jornada internacional contra a pena de morte foi lançada em 2002 pela Comunidade de Santo Egídio e desde então não parou de crescer. Esta comunidade nasceu em Roma, no ano de 1968, logo após o Concílio Vaticano II.

Hoje é um movimento de leigos, ao qual aderem mais de 50 000 pessoas, empenhado na evangelização e na caridade em Roma, na Itália e em mais de 70 países de vários continentes, incluindo Portugal. As várias comunidades, espalhadas pelo mundo, partilham a mesma espiritualidade e os mesmos fundamentos.

(Com Agência Ecclesia)