Portugal solidário com vítimas das chuvas no sul do Brasil

Cáritas Portuguesa e diocese de Angra enviam ajudas

| 697 visitas

CIDADE DO VATICANO, terça-feira, 9 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).- A Igreja em Portugal somou-se às campanhas de ajuda às vítimas da tragédia ambiental em Santa Catarina (sul do Brasil).

O presidente da Cáritas Portuguesa, Eugénio José da Cruz Fonseca, ao destacar em comunicado que a entidade está providenciando sua ajuda, recordou o dano aos pobres.

«Como em muitas outras circunstâncias, são sempre os pobres que mais sofrem as adversidades, não só pela precariedade das suas habitações, mas também porque são escassos os recursos financeiros para reconstruir as fracas condições de vida», afirmou. 

O bispo de Angra, Dom António Sousa Braga, indicou que o ofertório das missas de ontem, solenidade da Imaculada Conceição, seja doado à Cáritas Regional de Santa Catarina.

Dom António recordou que «laços históricos muito antigos ligam os açorianos ao Brasil do Sul». «Estamos a evocar precisamente os 260 anos da emigração açoriana para Santa Catarina», disse o bispo, em nota. 

Papa

Bento XVI renovou esse domingo sua solidariedade às vítimas. Ao saudar os peregrinos em língua portuguesa após a oração do Ângelus, o Papa reiterou seus «sentimentos de comoção pela catástrofe ambiental».

Foi a segunda vez que o Papa manifestou sua proximidade às vítimas da catástrofe que até o momento deixou 123 mortos, 29 desaparecidos, 33 mil desalojados e desabrigados.

Em telegrama enviado ao arcebispo de Florianópolis, Dom Murilo Krieger, no dia 27 de novembro, Bento XVI expressava seu «profundo pesar» diante das «trágicas e lutuosas consequências das chuvas torrenciais» e afirmava-se «espiritualmente presente nesta hora de dor».

O presidente do CELAM (Conselho Episcopal Latino-Americano), Dom Raymundo Damasceno Assis, manifestou a proximidade da Igreja na América Latina, assegurando «nossa união na oração, para que todos encontrem a força necessária para vencer as dificuldades presentes e seguir adiante».