Pregação dos exercícios espirituais inacianos (4)

Como melhorar a pregação sagrada: coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 985 visitas

PREGAÇÃO DOS EXERCÍCIOS ESPIRITUAIS INACIANOS (4)

Continuemos explicando a pregação dos Exercícios Espirituais de Santo Inácio. Até agora vimos o que são e sua finalidade, como fazê-los e a duração, e como vivê-los (1). Também repassamos os temas que devem ser tratados na primeira e na segunda semanas (2, 3). Hoje veremos os temas da terceira semana de Exercícios Espirituais.

TEMAS DA TERCEIRA SEMANA

Santo Ignácio de Loyola abre esta terceira semana com as meditações sobre a Paixão e morte de Cristo para reconciliar-nos com o seu Pai e oferecer-nos a salvação. Objetivo? Contemplar a Cristo paciente e sofredor que vai à paixão e à cruz pelos nossos pecados, para que sintamos dor, sentimentos de tristeza e confusão porque magoamos e ofendemos a Cristo nosso Senhor; e ao mesmo tempo, sintamos gratidão porque com o seu sangue nos redimiu da morte eterna. E desta contemplação tiremos o propósito de deixar o pecado na nossa vida, única causa de tanto sofrimento e pena de Cristo, e de levar uma vida santa.

Pegam-se os textos dos evangelhos da Paixão e Morte de Cristo, e também aqui propõe-se contemplações: ver as personagens da Paixão, ouvir o que dizem e como reagem, colocar-se na cena e deixar-se interpelar pela mensagem que Cristo quer dar-nos nessa meditação – contemplação; que esta semana será o sofrer com Cristo sofrido, chorar com Cristo que chora, para que isso provoque na nossa vontade a decisão de deixar o pecado na nossa vida, conhecer mais a Cristo, amá-lo com mais intimidade e imitar as suas virtudes, especialmente a entrega total a Deus e a capacidade de sofrimento seguindo o exemplo de Cristo.

Recomenda-se o seguinte para o pregador nessa semana: pregar com muita unção, sentimento e emoção, repassando os sofrimentos físicos, morais e espirituais de Cristo, da Última Ceia até o Calvário; sofrimento causados por todos nós, e ao mesmo tempo, deverá apresentar esse Cristo obediente e fiel ao plano do Pai Celestial e cheio de amor para com cada um dos homens. O pregador deveria terminar cada contemplação com esta pergunta: "Se Jesus fez e sofreu tudo isso por mim, o que que eu devo fazer e padecer por Ele, associando-me ao Senhor na sua obra de salvação?". Nos colóquios da terceira semana, o exercitante deve deixar plena liberdade à ação do Espírito Santo e às suas moções internas. Deve parar nos momentos em que sinta maior consolo, porque aí a ação de Deus é mais intensa. Essa escolha livre e madura que o exercitante teve que fazer na segunda semana, optando por Cristo e pela sua bandeira, agora nesta terceira semana encontra a força de Cristo Redentor para reafirmar a sua decisão por Ele, porque o sangue bendito do Salvador não foi vão e estéril na alma do exercitante.

Na próxima vez veremos os temas da quarta e última semana dos Exercícios Espirituais.

O artigo anterior desta série está em: http://www.zenit.org/pt/articles/pregacao-dos-exercicios-espirituais-inacianos-3

Tradução Thácio Siqueira