Pregação dos exercícios espirituais inacianos (5)

Como melhorar a pregação sagrada: coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 819 visitas

Continuaremos explicando a pregação dos exercícios espirituais inacianos. Vimos até agora o que eles são e qual é a sua finalidade, o modo de fazê-los, a duração e como vivê-los (1). Repassamos também os temas da primeira, segunda e terceira semana (2, 3 e 4). Hoje veremos os temas da quarta e última semana dos exercícios espirituais.

TEMAS DA QUARTA SEMANA

Santo Inácio de Loyola abre a quarta semana com as meditações sobre a Ressurreição de Cristo. Objetivo? Contemplar o Cristo triunfante e glorioso, para sentir intensa e profunda alegria por tanta glória de Cristo. O triunfo de Cristo é o nosso triunfo. Além de contemplar, também temos o objetivo de transmitir ao nosso redor essa alegria interior, infundida pelo Espírito Santo em nossa alma, convertendo-nos em testemunhas de Cristo ressuscitado, em homens novos que carregam a marca do Cristo triunfante. Sem esquecer Maria, que foi a primeira beneficiada pelo profundo regozijo do Filho Jesus. Também seria proveitosa a meditação sobre a Ascensão do Senhor aos céus, para fortalecer os nossos ânimos e sentir o desejo do céu em todas as nossas atividades aqui na terra. 

Usam-se os textos dos evangelhos da ressurreição e propõem-se contemplações das aparições de Cristo Ressuscitado, cheias de profundo sentimento e regozijo: ver os personagens, ouvir o que eles dizem e como reagem, envolver-se na cena e ser impactados pela mensagem que Cristo quer nos dar nessa meditação-contemplação; deixar-nos invadir pela alegria da vitória de Cristo contra o demônio, contra o pecado e contra as forças do mal. Saímos da meditação com decisões da vontade e não só com sentimentos e emoções do coração, dispostos a levar uma vida de homens novos, como São Paulo nos fala em suas cartas. 

Ao pregador, nesta semana, recomenda-se o seguinte: apresentar com sóbrio entusiasmo as passagens evangélicos das aparições de Cristo aos apóstolos, como narradas pelo evangelista, enfatizando os frutos que Cristo nos obteve com a sua Ressurreição: paz, alegria, amor, entusiasmo, valentia, firmeza na fé, esperança renovada, etc.

Santo Inácio termina os exercícios espirituais com uma meditação intitulada “Contemplação para alcançar o amor”. Esta contemplação é uma recapitulação sintética dos exercícios, em que a alma contempla todos os benefícios recebidos de Deus durante a vida, seja no âmbito natural, seja no espiritual, para embeber a alma de gratidão e desejo de correspondência a Deus. Contemplação voltada a reorientar o exercitante à vida diária, para exercitar diariamente a própria “divinização progressiva”, orientando-se radicalmente a Deus, em ascendência, e buscando com todas as intenções e ações o Deus Vivo e Verdadeiro, para encontrá-lo e servi-lo em todas as coisas. Viver no amor. Viver de amor. Viver com amor a vida cristã, para agradecer a Deus por tantos benefícios.

Santo Inácio de Loyola nos diz que deveríamos terminar os exercícios espirituais rezando e vivendo esta oração: “Tomai, Senhor, e recebei toda a minha liberdade, a minha memória, o meu entendimento e toda a minha vontade, todo o meu haver e possuir; Vós me destes tudo, a Vós, Senhor, tudo devolvo; tudo é vosso, dele disponde conforme a vossa vontade; dai-me o vosso amor e graça, que esta me basta”. É a culminação da mística e da entrega total a Deus. 

Na próxima coluna, veremos algumas das regras de discernimento que Santo Inácio recomenda ao exercitante e que o diretor deve explicar com cuidado. 

O artigo anterior pode ser lido clicando aqui

Caso você queira se comunicar diretamente com o Pe. Antonio Rivero escreva para arivero@legionaries.org  e envie as suas dúvidas e comentários.