Pregações circunstanciais (2)

Como melhorar a pregação sagrada: coluna do Pe. Antonio Rivero, L.C., Doutor e professor de Teologia e Oratória no seminário Mater Ecclesiae de São Paulo

São Paulo, (Zenit.org) Pe. Antonio Rivero, L.C. | 848 visitas

Entremos de cabeça nas pregações circunstanciais mais importantes: batismo, casamento, festas, apresentações, brinde. Hoje veremos as duas primeiras.

BATISMO

O que deve ser esta pregação: não deve ser uma lição de teologia dos sacramentos, mas deve dizer de um modo muito próximo à vida o que o sacramento do batismo significa para o homem de hoje: um novo nascimento na família de Deus e o que isso implica de dignidade e responsabilidade.

Tema e objetivo desta pregação: a pregação do batismo não tem por conteúdo – embora não deva ser excluído – nem a alegria pelo nascimento de uma criança, nem a questão do seu futuro, nem a tarefa educativa dos pais. O tema deve ser a graça divina que cobre esta criança, o amor de Deus manifestado em Cristo. Trata-se de relacionar a vida humana com os grandes fatos de Deus. Isso também é válido quando o nascimento da criança não foi recebido com alegria, ou porque não foi desejado, ou porque veio ao mundo com alguma doença, ou porque se tem o medo de experiências amargas no seu caminho.

Esta pregação deve ter estas características

Primeiro, real adaptação com os assistentes. Devem entender-nos porque falamos uma linguagem cheia de carinho e simplicidade.

Segundo, selecionar algum dos diversos aspectos do batismo, para evitar que a homilia vire um armazém rápido e total de ritos, símbolos e conteúdos teológicos. Por tanto, uma só ideia ou tema. Por exemplo, centralizar em alguma das ideias mais importantes do batismo: nova vida, iluminação, regeneração, chamado à santidade, etc.

Terceiro, deve ser breve, porque supõe-se que já houve antes para os pais e padrinhos uma catequese na paróquia; neles cai a responsabilidade especial de educar esses neófitos na fé.

Finalmente, seria bom fazer alguma referência aos sinais mais importantes, especialmente ao banho na água, a roupa nova, as unções com o óleo consagrado, a vela.

CASAMENTO

A pregação no casamento não é diferente da do batismo: a atmosfera é mais sentimental e está mais exposta ao ar de festa do que a pregação batismal.

Tema e objetivo desta pregação: lembrar o aspecto sacramental para evitar que as flores, a música, o vídeo, as fotos, os padrinhos e testemunhas vestidas a rigor e o vestido da noiva sejam mais importantes do que a celebração litúrgica.

As características dessa pregação são essas

Em primeiro lugar, embora a homilia inicie com um texto bíblico, no entanto, é preciso atender a situação pessoal de quem está para receber o sacramento: estão alegres e felizes.

Em segundo lugar, o pregador deve ser muito cordial na forma e expressão e simples nas ideias na hora da homilia.

Em terceiro lugar, tem que levar o casal à admiração, à ação de graças e à petição de graças a Deus para ser fieis a este compromisso que assumem.

Em quarto lugar, deve incutir no casal coragem e confiança sobre as suas expectativas de uma vida em comum.

Finalmente, ajuda muito na homilia usar alguma imagem que explique plasticamente a importância do casamento e fique gravada para sempre na mente e no coração dos novos esposos e nos que assistiram à cerimónia litúrgica.

Um exemplo ....

Deu certo para mim na paróquia Betânia de Buenos Aires a imagem do vinho novo  que Cristo lhes oferece nesse dia do casamento, quando comentava as bodas de Caná (cf. Jo 2, 1-12), vinho que ambos devem cuidar para que não se torne vinagre com a infidelidade, vinho que devem compartilhar com os seus filhos e familiares, vinho que não devem transformar em água com a rotina; ou a imagem do edifício onde hoje começam colocando o primeiro tijolo, se a passagem comentada é a de “construir sobre a rocha” ( cf. Mateus 7, 24-27), ver quais fundamentos devem colocar, quais colunas, que tipo de parabólica para vigiar a casa; ou a imagem da barca, na qual Cristo tem um remo, não para bater, mas para remar; sem esquecer a bússula, as redes, as velas, tomando cuidado com os possíveis piratas que querem destruir essa barca matrimonial.

O artigo anterior pode ser lido clicando aqui

Caso você queira se comunicar diretamente com o Pe. Antonio Rivero escreva para arivero@legionaries.org  e envie as suas dúvidas e comentários.

Tradução Thácio Siqueira