Preocupação pela rejeição da definição de “casamento” em Massachusetts

Críticas do episcopado a duas sentenças judiciais polêmicas

| 1498 visitas

WASHINGTON, quarta-feira, 14 de julho de 2010 (ZENIT.org) - Dom Joseph Kurtz, arcebispo de Louisville, presidente do Comitê da Conferência de Bispos Católicos dos Estados Unidos para a Defesa do Casamento, expressou profunda preocupação diante das recentes sentenças de uma corte de Massachusetts que rejeita a definição do casamento como a união entre um homem e uma mulher.

O arcebispo apresentou o ponto de vista da Igreja depois de que o juiz Joseph Tauro, da Corte Federal do Distrito de Massachusetts, estabelecera, em 8 de julho, que a lei federal atualmente em vigor que regulamenta o casamento (o "Defense of Marriage Act") viola o direito constitucional à igualdade jurídica dos parceiros homossexuais e constitui um impedimento para as competências de cada um dos Estados nesta matéria.

"O casamento - união entre um homem e uma mulher - é uma instituição única e insubstituível. O autêntico tecido da nossa sociedade depende dele. Não há nada que possa se comparar à união exclusiva e permanente do marido e da mulher", esclarece o prelado, em nome do episcopado.

"O Estado tem o dever de utilizar a lei civil para apoiar - e mais ainda, para privilegiar de maneira única - esta instituição vital da sociedade civil. As razões para apoiar o casamento com a lei são inumeráveis, começando pela proteção do papel único dos maridos e das mulheres, o indispensável papel dos pais e das mães, dos direitos dos filhos, que com frequência são os mais vulneráveis entre nós", acrescenta o bispo.

Por este motivo, em nome dos bispos dos Estados Unidos, Dom Kurtz expressa "profunda preocupação por estas sentenças perigosas e decepcionantes, que ignoram os mais claros objetivos do casamento e que, portanto, ofendem a autêntica justiça".