"Preparados para defender o rebanho até o derramamento do próprio sangue"

Bento XVI recebe em audiência os novos cardeais, lembrando-lhes o significado do barrete vermelho

| 974 visitas

CIDADE DO VATICANO, segunda-feira, 26 de novembro de 2012 (ZENIT.org) - Esta manhã, na Sala Paulo VI, o Papa Bento XVI recebeu em audiência os seis novos cardeais, criados nesse sábado, 24 novembro, acompanhados dos seus familiares e dos fiéis das suas dioceses reunidos em Roma para o Consistório. Publicamos a seguir o discurso do Santo Padre para a ocasião.

***

[Em italiano]

Senhores Cardeais,

Queridos Irmãos no Episcopado e no Sacerdócio

Queridos amigos!

Com gratidão ao Senhor, queremos hoje estender os sentimentos e as emoções, que vivenciamos ontem e antes de ontem, por ocasião da criação de seis novos Cardeais. Foram momentos de intensa oração e de profunda comunhão, vividos com a consciência de um evento que diz respeito à Igreja universal, chamada a ser sinal de esperança para todos os povos. Tenho, portanto, o prazer de recebê-los também hoje, neste encontro simples e familiar e de dirigir a minha cordial saudação aos novos cardeais, bem como aos seus parentes, amigos e todos aqueles que lhes acompanham nesta ocasião tão solene e importante.

[Em Inglês]

Dirijo uma cordial saudação aos Cardeais de língua inglesa que tive a alegria de elevar à dignidade de Cardeais, durante o Consistório de sábado passado: o Cardeal James Michael Harvey, Arcebispo da Basílica de São Paulo Fora dos Muros; o Cardeal Baselios Cleemis Thottunkal, Arcebispo Siro-Malankrese de Trivandrum (Índia); o Cardeal John Olorunfemi Onaiyekan, arcebispo de Abuja (Nigéria), e o Cardeal Luis Antonio Tagle, Arcebispo de Manila (Filipinas).

Saúdo, também, os seus familiares e amigos, e todos os fieis que lhes acompanham hoje.

O Colégio de Cardeais, cuja origem remonta ao antigo clero da Igreja de Roma, é responsável pela eleição do Sucessor de Pedro e o aconselha sobre assuntos de extrema importância. Seja nos departamentos da Cúria Romana, seja no seu ministério nas Igrejas locais ao redor do mundo, os Cardeais são chamados a compartilhar de maneira especial o cuidado do Papa pela Igreja universal. A cor forte dos seus barretes tem sido tradicionalmente vista como um símbolo do seu compromisso de defender o rebanho de Cristo até derramar o próprio sangue. No momento em que os novos cardeais assumem o ônus do seu ofício,  confio que serão sustentados pelas vossas orações e pelo vosso apoio  e que lutarão lado a lado com o Romano Pontífice para promover a santidade, a comunhão e a paz da Igreja em todo o mundo.

[Em francês]

Saúdo cordialmente os peregrinos de língua francesa, especialmente do Líbano, na recordação feliz de minha recente viagem apostólica no seu país, motivada pela assinatura da Exortação Apostólica pós-sinodal Ecclesia in Medio Oriente. Atribuindo o cardinalato ao patriarca Boutros Rai, desejo incentivar especialmente a vida e a presença de cristãos no Oriente Médio, que deve ser capaz de viver livremente a própria fé, e lançar mais uma vez um apelo urgente para a paz na Região. A Igreja encoraja todos os esforços com vista à paz no mundo e no Oriente Médio; uma paz que não será efetiva se não for baseada em um respeito genuíno pelo outro. Que o tempo do Advento, já ao virar da esquina, possa fazer-nos redescobrir a grandeza de Cristo, verdadeiro homem e verdadeiro Deus, vindo ao mundo para salvar todos os homens e levar a paz e a reconciliação! Boa peregrinação a todos!

[Em espanhol]

Saúdo com vivo afeto o Cardeal Rubén Salazar Gómez, arcebispo Metropolitano de Bogotá e Presidente da Conferência Episcopal da Colômbia, e sua família, bispos, sacerdotes, religiosos e leigos que o acompanham e participam da sua alegria íntima e espiritual por ter entrado no Colégio Cardinalício. Encorajo a todos a elevarem fervorosas orações pelo novo cardeal, para que esteja sempre mais unido ao Sucessor de Pedro e colabore incansavelmente com a Sé Apostólica. Também peçamos a Deus que o ajude com os seus dons, para que continue a ser testemunha da verdade do Evangelho da salvação, expondo com retidão e fidelidade o próprio conteúdo e levando à todos a força redentora de Cristo. Que Maria Santíssima, que naquelas nobres terras é invocada sob o doce nome de Nossa Senhora do Rosário de Chiquinquirá, o sustente sempre com o seu amor de Mãe, assim como todos os caros filhos e filhas da Colômbia, que guardo no coração e na oração, para que avancem na paz e na harmonia pelos caminhos da justiça, da reconciliação e da solidariedade.

[Em italiano]

Caros e venerados Irmãos que vos unistes ao Colégio dos cardeais! O vosso ministério se enriquece com um novo compromisso de apoiar o Sucessor de Pedro, no seu serviço universal à Igreja. Portanto, enquanto renovo a cada um de vós a minha felicitação mais cordial, confio no apoio da vossa oração e na vossa preciosa contribuição.

Continuai confiantes e fortes na vossa missão espiritual e apostólica, mantendo fixo o olhar em Cristo e reforçando o vosso amor pela sua Igreja. Este amor o podemos aprender também dos Santos, que são a realização mais completa da Igreja: eles a amaram e, deixando-se moldar por Cristo, consumiram totalmente as suas vidas para que todos os homens fossem iluminados pela luz de Cristo que resplandece no rosto da Igreja (Conc. Ecum. Vat. II, Const. Dogm. Lumen gentium, 1). Invoco sobre vós e sobre os presentes a materna proteção da Virgem Maria, Mãe da Igreja, e de coração concedo-vos e a todos os presentes uma especial Bênção Apostólica.

(Tradução Thácio Siqueira)