Preparar-se para a vinda de Cristo guiados por São Paulo, convida cardeal

| 837 visitas

RIO DE JANEIRO, quarta-feira, 3 de dezembro de 2008 (ZENIT.org).- Neste tempo de Advento, no contexto do Ano Paulino, o cardeal Eusébio Scheid convida os fiéis a se prepararem para a vinda de Cristo guiados por São Paulo.

O arcebispo do Rio de Janeiro recorda que Paulo aceita o Cristo «a partir de uma experiência pessoal e definitiva de conversão». «Aquele se tornou o momento decisivo de sua vida», explica, em mensagem divulgada ontem por sua arquidiocese. 

«Se nós queremos, realmente, entrar na espiritualidade do Evangelho de Cristo é preciso ouvi-lo, segui-lo, atendê-lo, absorvê-lo, a ponto de deixar nossos defeitos e pecados e, até, as coisas pequenas de lado, para nos centrar no único e verdadeiro Mestre, Valor Supremo.»


Segundo Dom Eusébio, São Paulo «afirma que a nossa vida “está escondida com Cristo em Deus”».

«O que significam o ensinamento, as obras, os ideais de Cristo em nós? Como Ele nos assume e nos transforma? Isto só é possível pela fé, a confiança total que nos leva a segui-lo, sem duvidar ou hesitar, acolhendo tudo o que Ele realiza através da sua Graça»


De acordo com Paulo –explica o arcebispo–, «seremos salvos pela nossa fé, desde que ela tenha seu complemento essencial na caridade. Isto deve levar a comportamentos consentâneos, isto é, conseqüentes, lógicos, de uma fé que se manifesta através das obras».


Dom Eusébio destaca ainda que São Paulo «não poderia falar sobre o Senhor, anunciá-lo às nações, sem frisar o ponto mais elevado de sua vida, que é, exatamente, a humilhação da cruz».

«Para tornar-se homem, o Filho esvaziou-se de toda prerrogativa divina, unindo à divindade a natureza humana, na sua própria Pessoa.»


«No sofrimento e no vexame da crucifixão, quando Jesus fez a entrega voluntária e definitiva da própria vida, fundaram-se os alicerces do Reino de Deus», afirma.

Segundo o arcebispo do Rio de Janeiro, «apesar do racionalismo intelectual dos gregos, do poder arrogante dos romanos e, até mesmo, da perspectiva política dos judeus, o Reino aconteceu entre nós».

«E, na interioridade, vai-se construindo, pouco a pouco. Assim, também, na nossa vida cristã: com a oração, a ascese, o filial acolhimento da graça, a prática do bem, tornamo-nos cidadãos desse Reino... Do jeito que Jesus fez e nos mostrou como fazer», destaca o cardeal Scheid.