Presidente do Movimento dos Focolares visita o Oriente Médio e a África

Embora a situação esteja cada vez mais perigosa, com risco de uma intervenção dos EUA

Roma, (Zenit.org) Redacao | 475 visitas

Nestes momentos, em que fortemente se espera que o caminho do diálogo e da negociação acabem com o conflito e a violência na Síria, encontra-se na Jordânia, do 29 de agosto ao 10 de setembro, a presidente do Movimento dos Focolares, Maria Voce, acompanhada pelo vice-presidente Giancarlo Faletti, para se reunir com as delegações do Movimento das várias nações do Oriente Médio e Norte da África .

Foi a notícia dada pelo serviço de Informação dos Focolares, com um comunicado que chegou hoje à redação de ZENIT em espanhol.

Por isso em Amman – indica a nota – reunem-se leigos e religiosos, jovens, adultos e famílias, provenientes não somente da Jordania, mas também da Turquia, Chipre, Líbano, Síria, Iraque, Egito, Argélia, Marrocos, Tunísia e Terra Santa. São dias de reuniões e balanços, além da possibilidade de traçar uma perspectiva futura da presença do Movimento nesta parte do mundo que vive realidades dramáticas.

O ponto de referência desta viagem é o que fez em 1999 Chiara Lubich para participar da Assembléia Geral da Conferência Mundial das Religiões pela Paz em Amã e, em seguida, reunir-se com membros do Movimento dos países da região .

Depois de 14 anos, a primeira presidente dos Focolares que sucede à fundadora reafirma com este encontro a importância da presença do movimento nessa região, inclusive com a possibilidade iminente de uma nova guerra que mantém o mundo na incerteza por causa das potenciais conseqüências.

Neste cenário, as perguntas que os membros do Movimento dos Focolares se fazem são profundas. Têm a ver com o futuro de seus países, mas também com o relacionamento com as pessoas de outras religiões; as relações entre as igrejas cristãs, muitas delas antigas e com uma rica e muitas vezes, dolorosa história nas costas; o futuro de famílias e comunidades num momento no qual muitos procuram emigrar em vista de um futuro melhor.

São desafios urgentes onde a espiritualidade da unidade, típica dos Focolares, através do compromisso dos seus adeptos, procura dar uma contribuição. E, além disso, esses dias de comunhão entre os representantes dos diferentes povos da região, com a presidente do Movimento dos Focolares, pode representar uma mudança, além de ser um sinal forte de proximidade e de envolvimento com os membros do Movimento no resto do mundo.

Na agenda da presidente Maria Voce, entre outras coisas, inclui no 4 de setembro, a participação no encontro islâmico-cristão organizado pelo Royal Institute for Inter-Faith Studies ( RIIFS ), juntamente com uma delegação de membros do Movimento , cristãos e muçulmanos.

Tradução Thácio Siqueira