Presidente italiano se reúne pela última vez com o papa

Homenagem a Giorgio Napolitano e Bento XVI por ocasião do 84º aniversário dos Pactos de Latrão

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) | 849 visitas

Na tarde de ontem, 4, a Sala Paulo VI, no Vaticano, foi palco de um concerto promovido pela Embaixada da Itália junto à Santa Sé em homenagem ao papa Bento XVI e ao presidente da República Italiana, Giorgio Napolitano, por ocasião do 84º aniversário dos Pactos Lateranenses.

A programação do concerto incluiu A Força do Destino, de Giuseppe Verdi, e a Sinfonia nº 3 em mi bemol maior, op. 55 Heróica, de Ludwig van Beethoven, com execução pela Orquestra del Maggio Musicale Fiorentino, conduzida pelo maestro Zubin Mehta.

Conforme comunicado da Sala de Imprensa da Santa Sé, o papa e o presidente da Itália se encontraram logo antes do concerto para uma conversa em uma das salas adjacentes ao auditório, durante cerca de 20 minutos.

Durante o colóquio, o Santo Padre "manifestou a sua atenção e participação nos importantes eventos que aguardam o povo italiano no futuro próximo". As duas partes também abordaram temas da atualidade internacional, expressando "preocupação com a paz em regiões conturbadas do mundo, como o Oriente Médio e a África".

Durante o discurso antes do concerto, recordando a iminência do fim do seu mandato como presidente da República, Napolitano destacou o valor histórico dos Pactos de Latrão, cuja evocação “nos permite medir o longo caminho percorrido rumo a uma cooperação serena e confiante entre Estado e Igreja a serviço do bem comum, ‘em pleno respeito [citando as palavras do papa, ndr.] da distinção entre a esfera política e a esfera religiosa’".

Recordando os vários encontros com o papa durante os seus sete anos na presidência, Napolitano continuou: "Muito me diz a memória do nosso recíproco escutar. Muito me enriqueceu o diálogo que mantivemos, sobre a Itália, sobre a Europa, sobre a paz e sobre a política mesma, como dimensão essencial da ação humana, e sobre as raízes ideais e morais do compromisso político".

Finalizando o discurso, o presidente italiano declarou: "Continuaremos, Santidade, como italianos, em qualquer posição, a prestar atenção às suas mensagens, para tirar delas motivo de reflexão e de confiança".