Prisioneiros camaroneses apóiam-se na oração para superar dificuldades

| 196 visitas

YAOUND (Camerões), 29 de agosto de 2003 (ZENIT.org).- A entidade caritativa «Ajuda à Igreja que Sofre» ampliou sua ação evangelizadora para os prisioneiros católicos recém-convertidos de uma grande carceragem da cidade de Tcholliré, em Camarões, numa das regiões mais pobres desse país africano.



Segundo informa AIS, os prisioneiros receberam 60 manuais de catecismo e 100 livretos que os ensinam a rezar o rosário em suas orações diárias. Sabendo das terríveis condições das prisões em Camarões, a entidade católica também enviou a Bíblia da Criança para os filhos dos prisioneiros.

Em Camarões, a população é formada em 51% por animistas, 16% mulçumanos e 33% cristãos.

Anteriormente, entre a população carcerária não havia nenhum católico, porém um prisioneiro converteu-se ao catolicismo e tornou-se muito religioso. Logo seu exemplo contaminou seus companheiros de cela. Em pouco tempo, havia diversos católicos que começaram a rezar juntos e ajudar os mais fracos e necessitados. Agora já são vinte batizados e vinte que estão sendo preparados para a conversão. Alguns deles condenados à morte.

As condições de vida dessas pessoas são muito difíceis. Em 2002, havia 1.200 prisioneiros amontoados em pequenas celas lotadas e sujas. As condições higiênicas da prisão são ruins e as epidemias da peste bubônica já mataram, num curto espaço de tempo, cerca de 400 prisioneiros. Não existe assistência médica e eles fazem somente uma refeição ao dia, geralmente uma sopa de farinha de mandioca, por isso acabam morrendo de doenças simples. Não podem receber visitas dos familiares e são tratados de forma brutal pelos carcereiros.

Hoje eles se amparam nas orações. Realizam uma hora diária de preces e formaram um coro para cantar canções religiosas. Eles limpam suas áreas na prisão e entre todos é verificado um tratamento cordial. Os prisioneiros afirmam que estão trabalhando para transformar esse lugar infernal «em um pequeno pedacinho do céu».