"Protege o seu coração", um projeto completo para a educação sexual dos filhos

Entrevista com Maria Luisa e Juan Francisco, fundadores e diretores internacionais de PTC - Parte III

Brasília, (Zenit.org) Thácio Siqueira | 847 visitas

“Propor ideais exigentes da forma mais atrativa possível” é o objetivo do Projeto “Protege o seu coração” (PTC).

PTC já ofereceu formação a cerca de 800 escolas em 15 países, formando pais e filhos numa equilibrada formação da sexualidade, tendo como pano de fundo uma verdadeira antropologia cristã.

“Os adolescentes de hoje não são totalmente livres para tomar decisões porque só mostram para eles uma cara da moeda: sensualidade e “sexo seguro”, disse Maria Luisa a ZENIT.

"Protege o seu coração" chega à todo tipo de pessoas, não somente católicos. Propor a virtude da pureza de forma positiva, não impositiva, dialogada e propositiva, é uma arte não tão difícil de se realizar, e que Maria Luisa e Juan Francisco, desde o início do projeto, há 20 anos, tomaram como desafio pessoal, como pode-se ler na continuação da entrevista abaixo.

Acompanhe abaixo a terceira parte da entrevista que ZENIT fez a Maria Luisa e Juan Francisco, idealizadores, fundadores e atuais diretores internacionais de PTC.

Para ler a primeira parte clique aqui

Para ler a segunda parte cliquei aqui

***

ZENIT: Quantas crianças vocês já conseguiram transformar com esse projeto?

Maria Luisa: Não é fácil medir a mudança de comportamento em assuntos tão íntimos como a vivência da sexualidade, mas se medimos a mudança de atitude poderíamos dizer que 75% das pessoas que frequentam nossas oficinas ou sessões mudam de atitude, ou pelo menos recebem uma “sacudida” de alguma forma.

Os adolescentes de hoje não são totalmente livres para tomar decisões porque só mostram para eles uma cara da moeda: sensualidade e “sexo seguro”. Se queremos adolescentes que vivam uma sexualidade inteligente é preciso mostrar-lhes também a outra cara: o bom caráter, o valor da espera, o autocontrole das emoções sexuais, o triunfo do amor. Nossa experiência é que muitos aceitam este desafio. Um adolescente prestes a se formar nos escreveu recentemente pelo Facebook: "Vocês me ensinaram uma das coisas mais importantes da vida, me ensinaram a amar”. Outro, recém-formado, nos disse: "Eu ficava perto ou na borda do precipício ... Vocês me ensinaram a me distanciar!"

Os principais parceiros nessa empreitada são os pais. São o nosso principal foco de atenção, porque são os protagonistas deste processo educativo tão sensível. No PTC oferecemos mais conteúdo para os pais do que para os alunos. Ajudamos os pais a se conectarem com os seus filhos, algo essencial para que possam ter uma influência positiva; lhes fazemos conhecer o tão distante mundo adolescente; sugerimos exercer uma autoridade que combine disciplina com afeto. Em suma, fornecemos ferramentas pedagógicas práticas de aplicação imediata. A cada dia fica mais claro que os filhos aceitam positivamente a influência dos valores e expectativas dos pais.

ZENIT: Qual é o papel da espiritualidade na educação sexual das crianças e adolescentes. É importante que a criança esteja em vida de graça?

Maria Luisa: O esforço para conquistar um bom caráter é possível entre pagãos e cristãos. Porém, para um cristão é muito mais fácil, porque se deixa que o Espírito Santo inabite na sua alma em graça, recebe todos os seus frutos: alegria, paciência, afabilidade, bondade, fidelidade, mansidão, longanimidade (persistência), benignidade (cordialidade), domínio de si (autocontrole), gozo, paz, amor. Podemos dizer que todos esses frutos coincidem com os traços de caráter que qualquer pessoa deseje cultivar. Se o Espírito Santo se “desconecta” da alma por causa de uma grave ofensa, a misericórdia de Deus torna possível a "reconexão" imediata através da Confissão para que atue de novo o poder da sua Graça.

Quando atendemos escolas católicas, os alunos são convidados a pedir ajuda à Graça, como alguém que sendo filho de um pai muito rico, pede-lhe apoio e conselho para  levar adiante as suas iniciativas. E um bom pai não negaria. Porque todos os homens somos filhos de um Pai amoroso que nos prometeu: “Eu estarei convosco sempre”. Não acudir a Ele seria tolisse.

ZENIT: E quando a criança não é católica e nem mesmo cristã, como é que vocês fazem para apresentar a virtude da pureza?

Maria Luisa: Desde que começamos o programa, decidimos oferecê-lo a todos os tipos de escolas. A maioria das cerca de 800 escolas que foram atendidas nestes primeiros 20 anos não são católicas, ou com uma linha religiosa. No entanto, a substância do conteúdo é baseada na antropologia mais completa que é a cristã, apoiada por outras ciências como a psicologia, a medicina e a pedagogia.

Desde o começo estávamos conscientes de que a tarefa não seria fácil, mas estávamos determinados a propor ideais exigentes da forma mais atrativa possível e isso nos deu muita força. Além disso, traçamos um perfil muito específico na escolha dos futuros instrutores e estabelecemos uns princípios para aplicar na aula que até hoje são vividos. Criar sempre uma atmosfera de liberdade, ouvir tudo sem escandalizar-nos, incentivar para que hajam objeções sem armar controvérsias, respeitar qualquer opinião, esclarecer ideias sem censurar ninguém, propor sem impor. Este último nos deu especial confiança para falar, porque nos livramos do pesado fardo de ter que convencer, preferindo propor, que tem mais afinidade com o dialogar.

Acreditamos que este estilo particular permitiu que o programa seja bem recebido por alunos e pais que não praticam nenhuma religião ou não receberam nenhuma formação religiosa. No caso de alunos que receberam esta formação, os conteúdos do programa lhes dá novas luzes, para compreender as verdades doutrinais sobre a pureza e outros aspectos. Constatamos com frequência através de comentários muito espontâneos como esse: “Finalmente entendi porque a Igreja ensina isso, ou nos pede para vivermos assim...” Sem distinção alguma entre uns colégios e outros definimos a pureza como “o autocontrole otimista das emoções sexuais, por amor”

***

Amanhã, quinta-feira, (22) será publicada a quarta e última parte dessa entrevista.

Um pai de família de língua portuguesa, seja do Brasil, Portugal, África ou Ásia, ou de países de língua espanhola, pode levar esse projeto para a sua própria cidade entrando em contato por meio desse email:info@protegetucorazon.com

Será enviado a explicação de como proceder para implantar o projeto e em seguida se  programará um seminário presencial de capacitação.

Maria Luisa e Juan Francisco também participaram da elaboração do "DVD Sim Aceito, segredos para um casamento feliz". O DVD está destinado para todos aqueles que se preparam para o matrimônio. Também pode ser adquirido em português e está sendo promovido pela Pastoral Familiar do Brasil. Para encomenda: quero.reservar.sim.aceito@gmail.com