Provocação do jornalista cristão, segundo diretor de Hispanidad.com

Entrevista com Eulogio López

| 818 visitas

MADRI, sexta-feira, 2 de maio de 2008 (ZENIT.org).- O jornal eletrônico Hispanidad (www.hispanidad.com) nasceu em 20 de março de 1996. São já 12 anos na rede, como confidencial – newsletter – preferentemente econômico. Contudo, seu diretor Eulogio López, o apresenta como um jornal digital cristão (www.hispanidad.com/noticia.aspx?ID=22196).

Um adjetivo interessante, sobretudo às vésperas da Jornada Mundial das Comunicações Sociais, que se celebra no dia 4 de maio: assim explica nesta entrevista concedida à Zenit.

–É possível falar de jornalismo econômico e cristão ou se trata de dois mundos que não têm conexão?

–Eulogio López: Eu acho que sim. E mais ainda, creio que este é o problema do jornalismo católico. Temos bons jornalistas católicos, muito melhores que eu, mas temo que alguns separam sua fé de seu trabalho, não por incoerência, mas porque consideram que o jornalismo econômico, o político ou o internacional são moralmente neutros. Em todo caso, considero que o jornalismo econômico não é mais que outra faceta desse conceito de bem comum que Bento XVI considera um «valor não-negociável» do católico na vida pública.

–Você escreveu que o politicamente incorreto é o cristianismo...

–Eulogio López: Especialmente desde a queda do Muro de Berlim e a morte das ideologias clássicas. Isso se vê com meridiana clareza na China, um país com dois sistemas: o Ocidente não faz outra coisa que elogiar a maior tirania do mundo pelo simples fato de que assumiu o sistema capitalista, porque para as multinacionais do primeiro mundo, a área OCDE supõe um mercado de 1,1 bilhão de pessoas. A liberdade econômica não significa liberdade individual, que é a única que importa. Assim, frente a esse capitalismo que impera, frente ao comunismo político e frente ao consumismo ocidental, a única coisa que temos é o «sistema» cristão, a visão transcendente do homem, muito mais que um fator de produção. Creio que é a isso que se refere o Papa quando, em sua Mensagem para a Jornada Mundial da Comunicações Sociais, identifica o materialismo econômico como uma das duas grandes pragas contemporâneas. Sim, pelo menos na Espanha, e temo que em todo o Ocidente, um jornalista só pode ser original sendo cristão.

–Qual é o principal adversário do cristianismo nos meios de comunicação social atuais?

–Eulogio López: A objetividade, se você prefere assim, o objetivismo, toda uma hipocrisia que confunde verdade com neutralidade e moderação com incoerência. Com uma imagem clássica, poderíamos dizer que jornalismo objetivista é aquele que em um debate oferece cinco minutos aos nazistas e cinco aos judeus. Hoje, objetividade, na vida diária do jornalista, significa não se molhar nem debaixo do chuveiro.