Qual é o papel dos idosos na nossa sociedade?

Solidariedade entre as gerações para garantir trabalho e aposentadorias

| 3838 visitas

ROMA, quarta-feira, 7 de março de 2012 (ZENIT.org) - Estamos diante de uma situação sem precedentes na história humana, derivada do aumento na expectativa de vida. É uma vitória sobre a doença e sobre as causas da morte, devida a uma dieta melhor, ao progresso da medicina, às medidas de segurança e de solidariedade social.

Entretanto, todas as idades da vida em nosso mundo têm atividades peculiares e prevalentes: o estudo na juventude, o trabalho na idade adulta... Falta um exame adequado da longevidade. Se Deus nos permitiu prolongar a vida, certamente quis que as pessoas dessem frutos também na estação da velhice.

E qual seria o papel do idoso na nossa sociedade?

Não podemos evitar esta questão neste Ano Europeu do Envelhecimento Ativo e da Solidariedade entre as Gerações.

 Os idosos são, em nossa "sociedade de consumo", geradores reais de relações: pontes entre uma geração e outra. E precisamos da solidariedade entre as gerações.

Os idosos são um grande trunfo para a sociedade. Seu conhecimento, sua experiência e sabedoria são um legado para os jovens, agora mais do que nunca precisados de professores da vida.

O beato João Paulo II, em particular, sugere pistas úteis para a reflexão. Ele reservou aos idosos, com quem dividiu a idade e a condição, um lugar de destaque no seu ministério pastoral. Através de uma série de manifestações significativas, ele quis identificar e descrever o carisma específico e a vocação da "terceira idade" no contexto da comunidade civil e eclesial.

Na "Carta aos Idosos", de 1º de outubro de 1999, às vésperas do ano jubilar, quando Karol Wojtyla completava oitenta anos, ele sublinhou o importante testemunho da terceira idade como um período marcado pelo despertar espiritual da pessoa, no contexto das indagações levantadas pela própria experiência de vida.

A carta cita o Salmo 90: "Os anos de nossa vida são setenta, oitenta para os mais fortes; mas quase todos são fadiga, sofrimento; passam depressa".

A Sagrada Escritura atesta numerosos exemplos de homens e mulheres chamados por Deus na vida madura. Eles responderam a essa vocação e tal resposta lhes abriu horizontes inesperados de bênção e de prosperidade, não só para eles, mas também para os seus descendentes, como no caso de Abraão e de Sara, que se tornaram pais contra toda expectativa razoável, ou de Moisés, a quem Deus pediu que conduzisse o povo eleito no êxodo rumo à Terra Prometida.

O poder de Deus supre a insuficiência humana, e a velhice, na sabedoria bíblica, não é apenas a fase final da maturidade humana, mas também uma expressão da bênção de Deus.

João Paulo II declara enfaticamente que não existem vidas insignificantes ou inúteis, como às vezes parece sentir-se no contexto sócio-cultural contemporâneo, caracterizado por uma mentalidade produtivista.

"O idoso", diz o papa, e eu também encerro com as palavras dele, "ajudam a olhar para os assuntos terrenos com mais sabedoria, porque as vicissitudes lhes trouxeram o conhecimento e a maturidade. Eles são os guardiões da memória coletiva e, portanto, os intérpretes privilegiados daquele conjunto de ideais e valores comuns que regem e guiam a vida em sociedade. Excluí-los é refutar o passado, em que está enraizado o presente, em nome de uma modernidade sem memória. Os idosos, por causa da sua experiência amadurecida, são capazes de oferecer aos jovens conselhos e ensinamentos preciosos"(Carta aos Idosos, 10).

Enrico dal Covolo, reitor da Pontifícia Universidade Lateranense