Quando Deus criou a mãe

Um anônimo conta a história na internet

| 2086 visitas

ROMA, quarta-feira, 9 de maio de 2012 (ZENIT.org) – Às vésperas do dia das mães, propomos aos leitores de ZENIT um texto anônimo que tem circulado pela internet.

Quando Deus criou a mãe, já estava nas horas extras do seu sexto dia de trabalho.

Um anjo apareceu e disse-lhe: “Senhor, por que gastas tanto tempo com esta obra?”.

DEUS: Viste a minha folha de especificações para ela? Precisa ser completamente lavável, mas não ser de plástico; ser capaz de funcionar com toda a energia, mesmo que esteja em jejum; ter um colo que acomode quatro crianças ao mesmo tempo; ter um beijo que possa curar desde um joelho arranhado até um coração ferido, e fazer isso tudo com apenas duas mãos.

ANJO: Com apenas duas mãos? Impossível! E este é o modelo padrão? É muito trabalho para ela!

DEUS: Ela também enxerga os filhos através das paredes, vê suas necessidades sem que eles precisem dizer nada, se cura sozinha quando está doente, alimenta uma família com qualquer coisa e consegue trabalhar dezoito horas por dia.

ANJO: Mas ela parece tão frágil, Senhor!

DEUS: Ela é frágil por fora, mas muito forte por dentro. Não fazes ideia do que ela pode suportar e conseguir.

ANJO: Ela é capaz de pensar?

DEUS: Não só de pensar, mas também de raciocinar e negociar.

ANJO: Senhor, parece que este modelo tem um vazamento…

DEUS: Isso não é um vazamento… É uma lágrima.

ANJO: E para que serve uma lágrima?

DEUS: As lágrimas são a sua maneira de expressar alegria, tristezas, desengano, o seu amor, a sua solidão, o seu sofrimento e o seu orgulho.

ANJO: És um gênio, Senhor. Pensaste em tudo. A mãe é verdadeiramente maravilhosa!

DEUS: Sim, ela é! A mãe tem forças que maravilham os homens. Elas cantam quando gostariam de gritar. Choram quando estão felizes e riem quando estão nervosas. Lutam pelo que acreditam. Enfrentam a injustiça. Não aceitam um “não” como resposta quando acham que existe uma solução melhor. Privam-se para que a família tenha algo. Acompanham ao médico quem tem medo de ir sozinho. Amam incondicionalmente. Choram quando os filhos triunfam e se alegram quando os amigos vencem. Sabem que um beijo e um abraço podem ajudar a curar um coração ferido. São feitas de todas as cores, medidas e formas. Transmitem luz, alegria, esperança, compaixão e ideais. O coração das mães é maravilhoso!