Quando o arco-íris apareceu no céu de Auschwitz

Entrevista com Gary Krupp, protagonista no diálogo Judaico - Católico

| 1665 visitas

ROMA, terça-feira, 17 de janeiro de 2012(ZENIT.org) -  Na ocasião da Jornada para o Aprofundamento e Diálogo entre Católicos e Hebreus, celebrado pela Igreja na Itália, dia 17 de janeiro; ZENIT entrevistou o ilustre protagonista do diálogo inter-religioso, o hebreu Garry Krupp, fundador de Pave the Way (ptwf.org)

***

Por Anita Bourdin


Sr. Gary Krupp, o senhor poderia explicar o objetivo da Fundação Pave the Way?  Krupp:A fundação Pave the Way (PTWF) é uma organização não-sectária, que visa remover obstáculos entre as religiões do mundo.  O diálogo Judaico - Católico tem sido uma parte importante para a compreensão das tradições de fé de cada um, e que afasta o preconceito e a aversão. A PTWF, contudo, concentra esforços na identificação de obstáculos concretos e procura removê-los. Primeiro, procuramos estabelecer um nível de confiança e então podemos realizar nossa missão principal. Devemos cancelar o conceito de religião como instrumento para justificar “pautas privadas”. A remoção deste mau uso da religião torna o diálogo mais fácil.

A mensagem do Papa Bento XVI para o Dia Mundial da Paz 2012 enfoca a educação dos jovens para a justiça e a paz: como colocar em prática esse convite para a Paz entre as religiões?
Krupp:A mensagem do Papa Bento XVI é exatamente o ponto. É a juventude que deve aprender a verdade sobre os problemas de hoje, se temos a esperança de resolvê-los. O problema escondido na aprendizagem, porém, é a mídia internacional e seu incrível abuso de poder em controlar idéias e pensamentos. A mídia hoje, intencionalmente, edita e empurra pautas privadas, que turva a verdade e por sua vez, cria hostilidade, aversão e em alguns casos, morte. Junto com as declarações do Papa, eu acrescentaria uma sugestão para a juventude de hoje: Tenham o cuidado de avaliar o que vocês aprendem das reportagens e da mass media. Questionem o repórter; vá até as origens das fontes para buscar a verdadeira história. E tentem encontrar soluções com base nos fatos e não nos relatórios tendenciosos.

O senhor esteve várias vezes em Roma e foi recebido por João Paulo II e Bento XVI: teve um encontro particularmente importante para o senhor?
 Krupp: Os incríveis encontros, com os dois Papas, realmente mudaram minha vida. Dia 29 de julho de 2000, eu recebi um telefonema do arcebispo Renato Martino, comunicando que o Papa me havia nominado Cavaleiro Papal de São Gregório, o Grande. Isso mudou o curso da minha vida e nos levou, a minha esposa Meredith e eu, a fundar o Pave the Way Foundation. Duas recordações foram muito importantes: a primeira, dia 18 de janeiro de 2005, quando o PTWF organizou uma Audiência Judaica, simplesmente para agradecer ao Papa João Paulo II, por tudo que ele tinha feito pela reconciliação religiosa com os Hebreus. Vendo três rabinos abençoar o Papa em hebraico na Sala Clementina e as lágrimas nos olhos do Papa, são imagens que estarão para sempre gravadas em minha memória.
A segunda memorável, foi quando apresentamos o Papiro Bodmer ao Papa Bento XVI com o nosso maravilhoso amigo e doador, Sr. Frank Hanna III, em 22 de janeiro de 2007. Depois da cerimônia de apresentação, eu dei ao Papa uma pequena foto emoldurada do arco-íris que apareceu no céu, quando ele abençoou o memorial de Auschwitz. Eu tirei essa foto quando acompanhamos o Papa e Jerzy Kluger à Polônia, 27 de maio de 2006. O Papa Bento ficou muito emocionado com este presente, aparentemente insignificante. O Papa perguntou-me "foi em Auschwitz?" Eu disse: "Sim Santo Padre, eu mesmo tirei essa foto." Parecia tão entusiasmado com esta pequena foto do arco-íris, sinal da aprovação de Deus, como estava em aceitar o mais importante manuscrito cristão existente.

Qual a importância da pesquisa sobre o Justo entre as Nações do Yad Vashem para o diálogo entre Judeus e Católicos?
Krupp: A pesquisa do Yad Vashem é preciso e exigente e acredito que seja extremamente importante nas relações Judeu – Católicos. A PTWF apresentou evidências no caso de Eugenio Pacelli como "Justos entre as Nações", que deveriam demonstrar que a lenda negra contra o Papa Pio XII é refutada pela verdade dos fatos. Isso é responsabilidade dos Hebreus, já que temos acumulado varias evidências de que Eugenio Pacelli era de fato um dos grandes heróis para o povo judeu durante o Holocausto. A ingratidão é um dos piores defeitos no hebraísmo. A aceitação da verdade sobre o heroísmo pessoal de Pacelli, creio eu, é essencial para trazer minhas irmãs e irmãos judeus à redenção. A reputação de Eugenio Pacelli deve ser restaurada, onde a KGB intencionalmente começou a maior campanha difamatória do século 20. Esta operação da KGB chamada "Seat Twelve" realizou com sucesso sua missão de isolar os judeus dos católicos, exatamente no momento da reconciliação religiosa vinda com o documento Nostra Aetate.

Como a mídia poderia contribuir para a mudança de mentalidade e a promoção da paz?
Krupp: O trabalho de ZENIT ao longo dos anos tem sido exemplar em relatar a verdade e sempre de forma positiva. Posso somente incentivar que informações delicadas, como as da Terra Santa, sejam relatadas de maneira justa e reflitam ambos os pontos de vista do conflito. Muitas vezes, as notícias do sofrimento dos Palestinos suplantam qualquer menção do sofrimento dos Israelenses com os constantes ataques contra a população civil. Uma vez que existem 1,1 milhões de cidadãos de Israel, árabes e muçulmanos, a violência contra os Israelenses é contra todos, cristãos e muçulmanos. São esses atos de violência, que inicialmente levaram a necessidade de bloqueios navais, checkpoint e muros de segurança. Se a violência termina, então essas medidas de segurança, muitas vezes criticadas, poderão ser removidas. Se procuram a paz, cada um deve se colocar no lugar do outro.

Qual é o seu desejo para o ano de 2012 sobre o diálogo Judaico-Católico?
KRUPP: O meu desejo é que o intenso trabalho, de documentos e artigos de notícias e gravações de vídeo, com testemunhas das ações da Santa Sé durante a Segunda Guerra Mundial, seja finalmente estudado de forma séria, de modo que os obstáculos entre judeus e católicos sejam erradicados. Nosso desejo é que Deus conceda sabedoria aos negociadores dos acordos fundamentais entre Israel e a Santa Sé. Estes obstáculos diplomáticos deveriam ser completamente resolvidos em breve, depois de 17 anos de negociações. A Fundação Pave the Way reconhece que a resolução destas duas questões irá abrir o caminho para maravilhosas e positivas relações entre judeus e católicos.

Tradução : MEM