Quando o cinema católico triunfa

Experiências surpreendentes do mundo cinematográfico

| 1829 visitas

Por Elizabeth Lev*

ROMA, domingo, 20 de junho de 2010 (ZENIT.org) – Os festivais cinematográficos tendem a suscitar meu lado mais cínico.

Trate-se Cannes, Veneza ou o de Sundance, parece sempre que prêmios e publicidade espalham-se por filmes que promovem três temas principais: aborto, uniões homossexuais e eutanásia.

Acrescente-se uma pitada de banal estereótipo anticatólico e tudo certo, eis aqui um grande sucesso. Mas além do mau gosto e da óbvia ofensa, todo o negócio dos prêmios cinematográficos é verdadeiramente cansativo.

Que se passou, perguntamo-nos, com dias em que filmes como “Beckett” e “Um homem para a eternidade” ou até “A noviça rebelde” levavam todos os prêmios?

Uma realizadora católica, Liana Marabini, decidiu desafiar estes festivais com um próprio e, no início do mês, aconteceu no Auditório da Via da Conciliação o primeiro festival de filmes católicos de Roma. 

Com o patrocínio do Conselho Pontifício para a Cultura, o evento, que durou uma semana, apresentou filmes, documentários e obras televisivas que ilustram “valores morais universais e modelos positivos”.

O festival, intitulado Mirabile Dictu (em latim “maravilhoso de dizer”), selecionou filmes de todo o mundo. Um júri composto por atores, cenógrafos, produtores e um teólogo concedeu os seis prêmios para o melhor filme, melhor documentário, ator e direção. O prêmio à carreira foi a Giancarlo Giannini, que trabalhou com Luchino Visconti, Ranier Werner Fassbinder, Lina Wertmüller e Tony e Ridley Scott, e foi visto recentemente junto a Daniel Craig na nova aventura de James Bond.

Os vencedores foram divulgados no dia 10 de junho, em um evento de gala no terraço panorâmico dos Museus Capitolinos. O prêmio de melhor filme foi para Désobéir, um filme francês de 2009 dirigido por Joel Santoni, que conta a história de Aristides de Sousa Mendes, que salvou a vida de judeus durante a Segunda Guerra Mundial, emitindo vistos para Portugal.

Atuando desse modo, Mendes desafiou o próprio governo, morrendo depois na desgraça e pobreza. A estrela do filme, o ator Bernard le Coq, venceu o prêmio de melhor ator. 

Já o prêmio para a melhor direção foi para o irlandês Paul Brady, por Janey Mary, de 2007, que conta a história de uma menina de cinco anos nas ruas de Dublin dos anos 40 do século XX. O racionamento do período de guerra faz a população morrer de fome, e a cidade está mergulhada na depressão. A amizade entre a menina e um sacerdote agostiniano é o tipo de história edificante que se quer ouvir desde a Irlanda justo neste momento.

Um filme surpreendente não levou prêmios, mas traz um lampejo de esperança para o cinema norte-americano: The Confessor, conhecido também como The Good Shepherd, de Lewin Webb e com Christian Slater.

Slater interpreta o padre Daniel Clemens, um astuto relações públicas de sua arquidiocese. Quando visita um sacerdote no cárcere por ter rejeitado infringir o segredo de confissão, seu estilo de vida materialista é desafiado e ele se dá conta do que significa de verdade servir à Igreja.

Ainda que de 2004, o filme nunca teve grande distribuição. Mirabile Dictu encontrou este filme e permitiu que sua mensagem positiva se transmitisse e que o público pudesse desfrutar de um Christian Slater no que pode ser seu primeiro papel edificante em um filme.

Mirabile Dictu não é o primeiro de sua categoria. O mais antigo Festival Internacional Cinematográfico e Multimedia Católico se celebra todo ano em Niepokalanow, Polônia, e este ano celebrou o 25º aniversário. Em 2009, debutou em Miami com grande êxito o JP2 International Film Festival. Em Roma, entre o festival de Cannes e o de Veneza, Mirabile Dictu está disposto a se converter na caput mundi do cinema católico.

--- --- ---

* Elizabeth Lev leciona Arte e Arquitetura Cristãs no campus italiano da Duquesne University e no programa de Estudos Católicos da Universidade San Tommaso. Pode ser contatada no e-mail: lizlev@zenit.org