"Que as dioceses ajudem as famílias cristãs da Terra Santa a conseguirem uma casa

O patriarca de Jerusalém convida, pela Rádio Vaticana, à um gesto concreto

| 777 visitas

HAIFA, quarta-feira, 11 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) – Encontraram-se ontem, em Haifa, Israel, os bispos europeus e americanos do encontro de Coordenação da Terra Santa para um compromisso com a comunidade católica local, especialmente com os sacerdotes de tradição latina, melquita e maronita.

Suscitou grande interesse o encontro ocorrido ontem da delegação de bispos com as autoridades israelenses, que permitiu abordar algumas das questões relativas à presença da Igreja nos lugares santos.

O Patriarca latino de Jerusalém, Dom Fouad Twal, entrevistado pela Rádio Vaticano, disse: "Estamos muito satisfeitos por ter a visita desta coordenação, como todos os anos. É um sinal de comunhão com a Igreja Internacional, é um sinal de solidariedade". Esta é a comunhão que o mesmo Sínodo tem tanto pregado, a comunhão entre todas as Igrejas do mundo que muitas vezes fala o Santo Padre. "

Falando, em seguida, dos projetos das casas e dos lares para as famílias como uma das necessidades mais urgentes e caras que a comunidade cristã na Terra Santa deve enfrentar, o patriarca disse: "Uma família, sozinha, nunca terá a oportunidade de ter uma casa e faço de novo um apelo a todos aqueles que podem dar uma ajuda. Não podemos colocar todo o projeto a cargo de uma pessoa, de uma igreja, de uma diocese".

"Se cada diocese assumir o compromisso de fornecer um apartamento para uma família cristã, daremos a oportunidade a muitas jovens famílias cristãs a permanecerem e evitarem assim a tentação de emigração” continuou Mons. Fouad Twal, convidando a assumir um "senso de responsabilidade, uma sensibilidade clara e um senso de comunhão entre nós e vós”.

Diante do pedido do que ele achava sobre a crítica de muitos que dizem que a criação de edifícios habitados só por cristãos equivaleria à criação de uma espécie de gueto, o prelado respondeu: "O fato de que hajam casas para os cristãos não representa um gueto porque também os outros recebem muitas ajudas da Arábia Saudita, dos seus respectivos governos. Ajudemos os cristãos porque eles precisam".

"Além disso, a Igreja Católica administra 14 hospitais no Patriarcado e nós católicos somos o 2-3% - disse – não acredito portanto que todos os hospitais trabalhem com os cristãos, a maioria são os outros e nós estamos felizes de dar a nossa contribuição, a nossa caridade e o nosso testemunho aos outros”.

A esperança, finalmente, de destruir, na Terra Santa "os muros visíveis”: os muros nos corações dos homens, como o medo, o ódio e a ignorância” com a finalidade de que chegue o dia de uma verdadeira integração entre as diversas religiões, no sinal do respeito.
(Fonte: Rádio Vaticano/ Tradução TS)