Quênia e Oriente Médio, principias preocupações da Ordem de Malta

Segundo o grão-mestre na recepção ao Corpo Diplomático

| 636 visitas

ROMA, quarta-feira, 8 de janeiro de 2008 (ZENIT.org).- Os dias dramáticos que o Quênia está vivendo e a sempre delicada situação do Oriente Médio foram os principais temas tratados pelo grão-mestre Andrew Bertie, em seu discurso ao Corpo Diplomático acreditado ante a Soberana Ordem de Malta.

No curso do tradicional encontro anual com os embaixadores de 99 países, com os que a Ordem mantém relações diplomáticas bilaterais, celebrado ontem, o grão-mestre analisou a situação internacional e informou sobre as atividades e as intervenções humanitárias da Ordem, em 2007, em mais de 120 países.

Durante a audiência, que aconteceu, como é habitual, na igreja de Santa Maria do Priorado de Roma, o grão-mestre explicou que os oito ambulatórios da Ordem ativos no Quênia atendem uma média de 600.000 pessoas cada ano.

Bertie comentou sobre a peregrinação que mais de 1.300 cavaleiros e damas da Ordem, de 21 nacionalidades, fizeram à Terra Santa.

Foi «uma viagem às raízes da fé cristã e na própria Ordem de Malta – recorda um comunicado da Ordem recebido pela Zenit –, mas também, para o grão-mestre, a ocasião de uma reflexão sobre o difícil futuro dos cristãos do Oriente, marginalizados e submetidos a violentas discriminações que cada vez mais com freqüência os obrigam ao êxodo».

O grão-mestre, em sua análise, alude também «à campanha pela luta contra a lepra no Brasil, os acordos para proporcionar insulina aos hospitais cubanos, a atenção a crianças desnutridas no Haiti, projetos assistenciais em numerosos países do Leste europeu, programas de reconstrução após o tsunami do Sudeste asiático e muitos outros projetos» da Ordem de Malta.

Por último, recordou com «grande satisfação» a histórica visita de Bento XVI, em 2 de dezembro passado, aos pacientes e ao pessoal do hospital da Ordem «São João Batista», em Roma, definida como «um impulso excepcional para continuar a missão ao serviço dos enfermos».

A Soberana Ordem de Malta, ente de direito internacional, mantém relações diplomáticas com 99 estados, entre os quais se encontra a Santa Sé.

Conta com dezoito representações oficiais e observadores permanentes ante as Nações Unidas, a União Européia e numerosas organizações internacionais.

A Ordem tem presença estável em 54 países, com onze grandes priorados e sub-priorados, 47 associações nacionais, assim como numerosos hospitais, centros médicos, ambulatórios, corpos de socorro, fundações e estruturas especializadas que atuam em 120 países.

Os 12.500 membros e os 80.000 voluntários, junto a pessoal especializado – integrado por 13.000 médicos, enfermeiros e auxiliares paramédicos –dedicam-se à assistência dos pobres, enfermos e pessoas que sofrem.