Rádio Vaticano digitaliza as vozes dos papas

Projeto inclui 8.000 fitas com as gravações originais das atividades dos pontífices

Cidade do Vaticano, (Zenit.org) Rocio Lancho García | 345 visitas

"As vozes dos papas" é o nome dado pela Rádio Vaticano ao projeto de digitalização dos seus arquivos. Desde 1931, a emissora do Vaticano capta as vozes dos pontífices, desde Pio XI até o atual sucessor de Pedro, o papa Francisco. A digitalização tem enorme importância histórica e documental.

Os registros das vozes dos papas estavam guardados em 8.000 fitas e suportes originais, com um total de 23.207 eventos transformados em 37 mil arquivos.

Na coletiva de apresentação do projeto, participaram o padre Federico Lombardi, diretor geral da Rádio Vaticano; o cardeal Giovanni Battista Re, colaborador de João Paulo II; o vaticanista Gian Franco Svidercoschi, que cobriu o pontificado dos dois papas que serão canonizados neste mês; o ajudante de João XXIII e João Paulo II, Guido Gusso, e o diretor técnico da Rádio Vaticano, Sandro Piervenanzi.

O cardeal Re falou das suas lembranças de João Paulo II, “um homem de certezas e de profundidade de pensamento”. Mas "o que mais me impressionou sempre foi a intensidade da sua oração", disse o cardeal, afirmando que João Paulo II se recolhia sempre em oração profunda e submergia tanto nela que "não se dava conta do tempo passando enquanto rezava". Antes de tomar decisões importantes, o pontífice dizia sempre: "Quero refletir". E rezava. Ele disse a Gorbachov, por exemplo: "Eu rezei por você e por este encontro".

Para o cardeal, o papa polonês "era um místico com os pés na terra, atento às pessoas. Posso testemunhar que todas as iniciativas, inclusive as que tinham consequências sociais e políticas, eram inspiradas por um motivo religioso; o motivo de toda a sua atividade era religioso, era ajudar a humanidade a se aproximar de Deus".

O cardeal também falou de João XXIII, destacando a sua grande bondade, que vinha do seu caráter feliz, otimista, sereno e positivo. Essa bondade "era acompanhada de uma grande inteligência, que enxergava longe". O Concílio Vaticano II foi uma ponte que João XXIII estendeu à humanidade, observou Re.

O padre Lombardi destacou que "as vozes dos papas são o tesouro da Rádio Vaticano. Ele corresponde à missão da rádio, que é precisamente a de difundir e conservar a voz dos papas, como na ocasião destas duas canonizações, mostrando que a voz dos papas, cuja santidade é agora proclamada, está à disposição de quem quiser escutar também o tom original da sua personalidade e do seu serviço à Igreja".

Por sua vez, Piervenanzi explicou como se desenvolveu o processo técnico da digitalização.