Refletir sobre carências do povo enfatiza necessidade das pastorais sociais

Encontro em Brasília reuniu 80 coordenadores de pastorais ligadas à CNBB

| 1160 visitas

BRASÍLIA, quinta-feira, 17 de julho de 2010 (ZENIT.org) – A reflexão sobre as carências da população revela ainda mais a necessidade do trabalho das pastorais sociais. Foi o que comentou o bispo de Franca (São Paulo), Dom Pedro Luiz Stringhini, no encerramento do Encontro Nacional das Pastorais, Organismos e Regionais da CNBB (Conferência Nacional dos Bispos do Brasil), nessa quarta-feira, em Brasília.

Durante três dias, os 80 participantes no evento discutiram temas sociais do Brasil, estudaram documentos da CNBB e avaliaram os trabalhos e a identidade das pastorais sociais; informa a assessoria de imprensa da Conferência episcopal.

Dom Pedro Stringhini, que é presidente da Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz, da CNBB, reconheceu a importância destes momentos de partilha e reflexão. 

“Aqui nos encontramos para fortalecer os ideais, na fé e na espiritualidade. É um momento forte de celebração, troca de experiências, oração e, sobretudo, de unidade.”

“Cada uma das pastorais sociais trabalha com uma situação limite da sociedade; é ao encontro dessas situações que a Igreja se faz presente através das pastorais e organismos. Ao refletirmos sobre as carências é que percebemos a importância de levar adiante o trabalho que desempenhamos a vários e longos anos”, disse.

Já o bispo de Jales, Dom Luiz Demétrio Valentini, afirmou que o encontro é um momento para as pastorais sociais “fortalecerem sua identidade e complementaridade”.

“No encontro nacional nós sentamos e percebemos o grande leque de desafios sociais que a Igreja tem de vencer através das pastorais sociais, presente e prestando o seu serviço muito válido”, disse.

A assessora da Comissão para o Serviço da Caridade, Irmã Delci Franzen, disse que “a espiritualidade foi o aspecto mais forte desses três dias de encontro”.

“Falo da presença de Deus que perpassa as lutas, os sentimentos, a convivência. Juntos, nós sentimos o grande desafio de caminhar em relação às lutas das pastorais sociais, das iniciativas, das práticas das pastorais, no sentido de perceber que é o Reino de Deus acontecendo.”

Segundo a religiosa, o encontro concluiu com a proposição de fazer uma memória das pastorais sociais no Brasil, “para que todos possam tomar conhecimento das práticas das pastorais sociais, que são as práticas da solicitude da Igreja com os pobres nesse imenso Brasil”, disse.