Reinício das obras na Basílica de Santa Teresa em Alba de Tormes

A obra contratada começou em outubro, com custo de um milhão de euros

| 1245 visitas

SALAMANCA, segunda-feira, 25 de novembro de 2007 (ZENIT.org).- O altar da inconclusa Basílica de Santa Teresa de Jesus, em Alba de Tormes, Salamanca, onde se conserva a relíquia do corpo da doutora mística, estará concluído dentro de dez meses.



Esta Basílica sofreu as mesmas vicissitudes que o cristianismo na Espanha no primeiro terço do século XX. Então foi interrompida e agora, com o impulso do bispo atual, as obras seguem adiante até sua conclusão.

Agora que se celebram 25 anos da visita a Alba de Tormes de João Paulo II, que veio para celebrar o IV Centenário da morte de Santa Teresa de Jesus, a providência quis que a Basílica Teresiana reiniciasse suas obras, para concluir o projeto iniciado há mais de um século.

O bispo de Salamanca, Carlos López Hernández, assinou em 8 de novembro passado, na própria basílica, a ata de planejamento com o arquiteto da obra, Ricardo Pérez, e o construtor, Jesus Yáñez, e os trabalhos iniciarão rapidamente.

Um anterior bispo de Salamanca, Tomás de Cámara e Castro, começou a construção da Basílica de Santa Teresa em 1898. Ao morrer, a construção estava bastante avançada, mas as graves dificuldades surgidas na primeira metade do século XX na Espanha não permitiram aos bispos posteriores continuar as obras.

Desde 1980, os bispos de Salamanca continuaram as obras com novo empenho, com a inestimável e entusiasta colaboração de José Sánchez Vaquero, o novo promotor principal desta Basílica.

«É meu desejo firme, como atual bispo de Salamanca, prosseguir a construção até sua terminação, na medida de nossas possibilidades – explica no site da basílica o atual bispo Carlos López Hernández. Até agora, estão concluídas as duas primeiras fases, que incluem as capelas e as naves laterais; e nos dispomos a iniciar uma terceira fase, para terminar a cobertura da nave central e do cruzeiro.»

O ato também contou com os dois principais promotores da conclusão da Basílica, o Pe. José Sáncez Vaquero e Florentino Gutiérrez, atual vigário geral da diocese de Salamanca e pároco de Alba de Tormes durante várias décadas.

O arquiteto explicou que as obras, calculadas em dez meses e um investimento de cerca de um milhão de euros, se centrarão, nas três primeiras semanas, em colocar os andaimes para construir a cobertura desde a metade até o altar. As obras começarão desde onde estavam paradas há mais de 25 anos.

«Valeria a pena manter o que havia e continuar, ainda que a idéia original de Repullés era inabarcável, por isso se desfez», destacou o arquiteto.

Também se está trabalhando no resto do projeto, com um orçamento total de aproximadamente quatro milhões de euros, pelo que são necessários outros três milhões para concluir as obras. Nesta seguinte fase, na medida em que o permita o acabamento, se atuará em serviços acrescentados, como um Centro de Recepção de Peregrinos e uma hospedaria, dentro da iniciativa de aproveitar que Alba de Tormes possa ser Centro Teresiano Mundial e destino das viagens de peregrinos que O Vaticano quer pôr em andamento, aproveitando a proximidade do aeroporto internacional de Matacán.

Devido às obras, as visitas à Basílica Teresiana de Alba de Tormes ficam suspensas, não assim o estacionamento na área junto a Puerta del Río, pois as obras vão da metade da igreja para o altar.

Para levar a cabo o projeto, que supera as possibilidades econômicas da diocese de Salamanca neste momento, é precisa a colaboração das instituições públicas e sociais, e dos fiéis devotos de Santa Teresa, de onde quer que procedam, assim como dos fiéis católicos de Salamanca, indica o bispo.

Se a idéia que oferecia o antigo projeto de Repullés era «entrar no Castelo interior», neste novo projeto de Pérez Rodríguez-Navas, animado fundamentalmente por Jesus Sánchez Vaquero, trata-se de fazer uma homenagem à espiritualidade cristã.

A simbologia que melhor o expressa será a luz que inundará a Basílica, desde os vitrais que coroam o templo. Os motivos destes cristais se centrarão em Teresa de Jesus e todas as suas fundações, e um conjunto de mulheres espirituais, e santas, que podem resumir o melhor da espiritualidade cristã: Catarina de Siena, Brígida, Isabel de Portugal, Gertrudes, Teresa do Menino Jesus, Rosa de Lima, Maravilhas da Cruz, Juliana de Cornillón, Edwirges e Escolástica.

O orçamento total da obra é de cerca de 4.300.000 euros. Se se descontam os 1.016.276 euros que se vão destinar à fase que se inicia agora, para concluí-la, com o orçamento previsto, faltariam 2.283.724 euros.

«Esta é a quantia que pedimos a nossos colaboradores com urgência. Levemos em conta que quanto mais atrasemos nosso contrato com a empresa construtora para as seguintes fases, mais subirá o orçamento, já que seria uma pena ter que afastar da Basílica os andaimes e a grua, com o que isso supõe de gasto, para trazê-los mais adiante», assinalou Florentino Gutiérrez, vigário geral, durante a coletiva de imprensa em 21 de setembro passado.

Existem diversos modos de colaboração econômica. Através de um depósito bancário em diferentes contas, entrega em mãos na Casa da Igreja, e fazendo à Junta Pro Basílica Teresiana partícipe de uma herança, através de sua notaria.

A este respeito, Dom Luis Rincón, ecônomo diocesano, recordou que «as contribuições econômicas que forem entregues à Basílica Teresiana podem servir para descontar no imposto da renda, solicitando justificativa no Bispado».

Para maior informação: www.labasilicateresiana.com, www.basilicadesantateresa.blogspot.com.