Reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana, confirmado por outro triênio

É o Pe. Gianfranco Ghirlanda, S.J.

| 561 visitas

CIDADE DO VATICANO, quarta-feira, 26 de setembro de 2007 (ZENIT.org).- O reitor da Pontifícia Universidade Gregoriana, Pe. Gianfranco Ghirlanda, foi reconfirmado por outro triênio.



O reitor é professor de Direito canônico e consultor de oito congregações vaticanas, entre elas a Congregação para a Doutrina da Fé, e é também referendário do Tribunal Supremo da Assinatura Apostólica.

A nomeação do reitor da Gregoriana é obra do Santo Padre, a partir de uma proposta de três nomes por parte do prepósito geral da Companhia de Jesus, nestes momentos o padre Hans-Peter Kolvenbach, já que a Gregoriana é uma obra confiada pelos pontífices aos jesuítas, como o próprio Bento XVI – que lecionou neste centro no ano 1972 – recordou em sua visita a esta universidade, em 3 de novembro de 2006.

É por este motivo que nos Estatutos da Universidade se especifica que o pontífice governa a Gregoriana através do cardeal prefeito da Congregação vaticana para a Educação Católica, que por esta razão é o grande chanceler desta universidade, que conta com 3.000 estudantes de 130 países.

A confirmação para um segundo mandato do reitor corresponde ao vice-grão-chanceler, o prepósito geral da Companhia de Jesus, após ter obtido antes a aprovação por parte do grão-chanceler, atualmente o cardeal polonês Zenon Grocholewski.

O Pe. Ghirlanda, nascido em Roma em 1942, entrou na Companhia de Jesus em 1966. Foi ordenado sacerdote em 1973 e fez a profissão solene em 1979, com o quarto voto de disponibilidade ao Papa, um voto próprio dos jesuítas.

Este sacerdote jesuíta é autor de numerosos livros e artigos, traduzidos em várias línguas, sobre direito na Igreja.

A Universidade Gregoriana deve seu nome ao Papa Gregório XIII, que em 1584 inaugurou a nova sede do Colégio Romano, erigido em 1551 por Santo Inácio de Loyola, fundador da Companhia de Jesus, e formado inicialmente por uma Escola de Gramática e Doutrina Cristã gratuita, que já em 1556 expedia títulos acadêmicos em Filosofia e Teologia.